Wellington denuncia ao MP construção de quadra em escola abandonada pelo governo, em Paraibano (MA

O deputado estadual Wellington do Curso (PP) denunciou ao Ministério Público do Maranhão, por meio das promotorias de Educação e Improbidade Administrativa, situação que demonstra fortes indícios de malversação de recurso público.

A denúncia foi encaminhada à Promotoria de Paraibano e remete à construção de uma quadra, ainda em 2016, em espaço do Centro de Ensino Edson Lobão, localizado no município. A escola, que pertence ao Governo do estado, foi cedida à Prefeitura em dezembro de 2016.

No entanto, as obras de construção da quadra começaram em 2016, no momento em que o espaço ainda era de responsabilidade direta do Estado.

“Eu até entendo que queiram desqualificar as denúncias ou ‘justifica-las’, diante da gravidade dos fatos, mas acredito que os anseios daqueles alunos, professores e da população de Paraibano devem preponderar. Quando fiz a denúncia, não fiz para ‘atacar’. Não podemos ficar nessa velha política em que se pensa que nós, representantes do povo, ainda usamos ‘cabresto’, para fechar os olhos diante das denúncias da população. Pais de alunos, professores e jovens me procuraram e fizeram a denúncia quanto a essa escola. De acordo com os dados do Inep, a escola é sim de responsabilidade do Estado. O que acontece é que foi cedida, o que possui um caráter momentâneo. Ainda assim, foi cedida em dezembro de 2016. Começaram a construir a quadra no ano de 2016, ou seja, enquanto estava sob responsabilidade direta do Governo do Estado. Ante isso, fica o questionamento: qual a lógica de se construir uma quadra em uma escola abandonada? Encaminhamos a denúncia ao Ministério Público para que adote as devidas providências, pois acreditamos que a denúncia será investigada e aqueles que desviaram recurso público da educação serão responsabilizados e punidos”, disse Wellington.

Segue cópia da denúncia, encaminhada ao MP desde 6 de junho:

Veja também

Teto de escola  da rede estadual desaba em Paraibano (MA)

Escola em Paraibano é destruída por vândalos e governador Flávio Dino nada faz

Denúncias na internet sobre escola abandonada é ignorada no governo Flávio Dino

Paraibano (MA): Deputado Júnior Verde destina emenda de R$ 300 mil para pavimentação de ruas

O deputado estadual Júnior Verde (PRB) destinou uma emenda no valor de R$ 300.000,00 para pavimentação de ruas de município de Paraibano (MA). A emenda foi conseguida pelo presidente do diretório do PRB do município de Paraibano, Aristeu Neto.

Segundo apurou o blog, a rua que deverá ser pavimentada é a  Rua Riachuelo, localizada entre o bairro Marajá e a praça São Sebastião.

O deputado Júnior Verde também garantiu que vai destinar emendas para a perfuração de três poços artesianos e vai buscar recursos para a reforma da escola Edson Lobão, disse Aristeu.

Cabe destacar que no governo de Jackson Lago (2007 a 2009) a rua Riachuelo foi asfaltada e depois de um ano o asfalto se acabou.

 

FMF muda local da final do campeonato Maranhense para prejudicar Cordino

A Federação Maranhense de Futebol (FMF), comandada pelo presidente Antonio Américo segue prejudicando o Cordino no campeonato maranhense. É uma maldade atrás da outra.

Com o claro intuito de prejudicar o Cordino, a FMF marcou a segunda partida do returno entre Sampaio e Cordino para a quarta-feira (7). Três dias antes, no domingo (4),  o Cordino jogou pela Série D, em Miracema do Tocantins (TO) e perdeu por 1 a 0.

O time do Cordino saiu de Miracema do Tocantins na segunda feira (5), chegou em São Luís na terça-feira (6) e entrou em campo na quarta-feira (7), para enfrentar o Sampaio. O placar foi 4 a 1 para o Sampaio. Com o resultado, o Sampaio foi campeão do segundo turno e forçou uma decisão extra contra o próprio Cordino, campeão do primeiro turno.

Nessa partida, o árbitro José Henrique de Azevedo Junior premiou com cartão amarelo, os jogadores Alef, Da Silva , Junior Negrão e Emerson, justamente os jogadores que estavam pendurados com dois cartões e estão fora do primeiro jogo da final do campeonato maranhense.

Agora para completar a maldade contra o Cordino,  a FMF ao baixou  a portaria 023/2017, marcando o jogo final do campeonato maranhense para o estádio Frei Epifânio em Imperatriz, na quinta-feira (22). Com isso, obriga o time a viajar até Imperatriz para jogar longe da torcida.

A portaria  016/2017 que tirou a final do estádio Leandrão, em Barra do Corda, onde o Cordino joga como mandante, foi baixada dia 5 de abril, quatro dias depois que o Cordino conquistou o primeiro turno do Maranhense, ao vencer o Imperatriz por 2 a 1 no estádio Frei Epifânio. A portaria diz que o estádio para receber o jogo da final deverá ter capacidade miníma de dois mil lugares.

Vale ressaltar que em nenhum item do regulamento cita  a obrigatoriedade da capacidade de dois mil lugares para  receber o jogo da final.  A FMF muda as regras do jogo durante o campeonato e joga o Estatuto do Torcedor na lata de lixo.

Agora só a FMF entregar o título de campeão maranhense para o Sampaio.

 

Pastos Bons (MA): Alunos da rede estadual protestam contra falta de professores

Estudantes relatam que tem apenas três professores para ministrar aulas de quatro disciplinas e tem aulas apenas três dias por semana

Estudantes do escola professor José Gonçalo, do povoado Santa Fé, no município de Pastos Bons (MA), fizeram uma manifestação na tarde desta quarta-feira (07), em frente à unidade de ensino. Os alunos levaram cartazes e reclamaram que estão sem professor de várias disciplinas. 

Segundo os estudantes a escola tem aula apenas três dias por semana e  conta apenas com três professores para ministrar aula de quatro disciplinas. 

O problema vem se arrastando desde o início do ano, onde as aulas já começaram atrasadas e, ainda não foram normalizadas devido à falta desses professores. Com quase a metade do ano letivo concluído e a escola sem professores, os alunos e pais de alunos, temem que seus filhos percam o ano de estudo, ficando impossibilitados de  ingressarem num possível curso superior no próximo ano.

A gestora da Unidade Regional de Ensino da Região (URE – São João dos Patos),Geralda Alves, disse que já se reuniu com o alunos para ouvi-los e que o problema foi causado por falta de mapeamento das necessidades de docentes, além da desistência de alguns professores que passaram no seletivo.

A gestora disse que Secretaria Estadual da Educação  já está resolvendo o problema. A gestora não disse quando o problema vai ser resolvido e nem o que será feito para recompor as aulas perdidas. 

(Com informações do blog Fuxico de Pastos Bons e Notícias de Paraibano)

São João dos Patos: Unidade Regional de Educação tem nova gestora

A Unidade de Educação da Regional de São João dos Patos tem nova gestora. Sai Maria Raimunda Pereira da Silva e entra a comunista Geralda Alves Costa.

A nomeação de Geralda já foi publicada no Diário Oficial.

Ex-presidente do núcleo do SINPROESEMMA em Paraibano, Geralda nunca se manifestou a favor dos professores na luta pelo reajuste salarial no governo de Flávio Dino. Quando o assunto é reajuste salarial, Geralda fica em silêncio para não se queimar com o governo.

No novo emprego, a comunista vai comandar a educação de quinze municípios.

Veja Diário Oficial dia 26 de maio de 2017

Paraibano (MA): Presidente do Procon garante que lei da meia entrada vai ser cumprida na vaquejada

Em conversa com o o blog do Hilton Franco, o presidente do instituto de Promoção e Defesa do Cidadão e Consumidor do Estado do Maranhão (Procon/MA), Duarte Júnior garantiu que a lei da meia entrada vai ser cumprida este ano na vaquejada de Paraibano (MA). O evento acontecerá dia 21, 22 e 23 de julho.

“Nós vamos agir. Pode apostar, esse ano eles vão ter que cumprir a lei da meia entrada. Caso não cumpram, serão severamente sancionados”, disse Duarte. 

Em julho de 2016, o professor Hilton Franco protocolou denúncia no Ministério Público  contra os organizadores do evento que não cumpriram a lei da meia entrada.  Por conta da denúncia, a organizadora do evento propôs a devolução dos valores cobrados além da meia entrada aos professores que comprovarem o pagamento do ingresso sem o desconto previsto em lei.

Este ano de novo, os organizadores do evento ainda não se manifestaram sobre a lei da meia entrada para a vaquejada.

Por conta da inércia dos organizadores do evento, o advogado Ferdina Júnior formalizou denúncia neste sábado (27) junto ao PROCON/MA, para que o órgão determine a obediência à meia-entrada prevista na Lei Federal nº. 12.933/2013 e Portaria nº. 034/2015-PROCON. Denúncia de nº. 10193/2017.

A lei da meia entrada não é cumprida no interior do Maranhão. Muitos nem sequer sabem da existência da lei. 

Tem direito a meia entrada, os estudantes, professores, idosos, deficientes e doadores regulares ao banco de sangue.

Veja também:

A lei da meia entrada não é cumprida no interior do Maranhão. Muitos nem sequer sabem da existência da lei. 

Professores que pagaram ingressos sem meia-entrada na vaquejada de Paraibano serão reembolsados

MAC vence o River-PI e assume liderança do grupo A5 da série D

Jogando neste domingo (28), no estádio Castelão,o Maranhão Atlético Club (MAC),  derrotou o River-PI pelo placar de 3×0, em jogo valido pelo Grupo A5.

Os gols da vitória do MAC foram marcados no segundo tempo, por Naôh aos 18 minutos e Jonas Piu Piu, aos 40 e 47 minutos.

Com a vitória deste domingo (28), o Maranhão Atlético Clube, assumiu a liderança do Grupo A5 com quatro pontos.

Na próxima rodada, o Maranhão joga contra o Guarany de Sobral, às 16h de domingo, no Castelão, em São Luís. O River vai ao Rio Grande do Norte para jogar contra o Potiguar, às 17h de domingo.

O outro representante maranhense, o Cordino foi goleado pelo Altos, em Teresina, por 4 a 0 e volta a jodar no domingo, contra o Tocantins fora de casa. Com a derrota o Cordino ocupa o terceiro lugar do grupo A4, com 3 pontos. O líder deste grupo é o Altos-PI, com 6 pontos.

Resultados do grupo A5 da série D:

Maranhão 3 x 0 River
Guarany de Sobral-CE 2 x 2 Potiguar de Mossoró-RN

Classificação do Grupo A5

1. Maranhão —  4 pontos
2. Guarany de Sobral-CE —  4 pontos
3. Potiguar de Mossoró-RN  —  2 pontos
4. River-PI  —  0 pontos

Foto: Raillen Martins/Agência PiPA

 

Moto Club vence o Confiança-SE de goleada na série C

Depois de perder na primeira e na segunda rodada da Série C, o Moto Club  venceu seu primeiro jogo na competição. Jogando no estádio Castelão, o Moto Club goleou o Confiança-SE  por 4 a 0 e somou três pontos no nacional.

Os gols do Moto foram marcados em tempo distintos. Na primeira etapa, Bebeto fez aos 27. Os outros vieram no segundo tempo com Rafamar, aos 7, Válber, aos 21, e Felipe Dias, aos 42.

O Moto Club volta a campo somente no próximo domingo (4/6), diante do CSA, fora de casa. A partida será realizada no Rei Pelé, às 16h. O Confiança tem próximo compromisso na Série C do Brasileiro, nesta sexta-feira (2), quando recebe o Remo, no Batistão, às 19h.

Resultados da Série C:

Sábado (27)
Moto 4 x 0 Confiança
Salgueiro 1 x 2 Fortaleza

Domingo (28)
ASA-AL 0 x 1 Sampaio-MA
Botafogo-PB 2 x 0 CSA-AL
Remo-PA 1 x 1 Cuiabá-MT
Joinville 1  x 1 Tupi-MG
Bragantino-SP 1 x 0 Ypiranga-RS
São Bento-SP 2 x 1 Macaé-RJ
Tombense-MG 2 x 1 Mogi-Mirim-SP

Segunda(29)
19h – Volta Redonda x Botafogo-SP

Classificação do Grupo A

1. CSA-AL —  6 pontos
2. Fortaleza-CE —  6 pontos
3. Sampaio Correa  —  6 pontos
4. Confiança  —  6 pontos
5.  Botafogo-PB —  4 pontos
6. Remo -PA —  4 pontos
7. Moto Club-MA —  3 pontos
8. Salgueiro -PE  —  3 ponto
9. ASA-AL  —  3 pontos
10. Cuiabá —  2 pontos

Moto Club perde no STJD e está fora da final do Maranhense

Na tarde desta quinta-feira (25) o Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) decidiu que a vantagem de jogar pelo empate semifinal do segundo turno do Campeonato Maranhense, era do Sampaio Corrêa. O placar foi 4 a 2. Foram 4 votos a favor da vantagem para o Sampaio e 2 votos para que houvesse nova partida entre Moto e Sampaio.

Com a decisão, o Moto está fora da final do segundo turno do Maranhense. 

O Sampaio recorreu ao STJD depois de o TJD-MA ter decidido com cinco votos a favor do Moto, sobre a questão da vantagem. No artigo 11 do Campeonato Maranhense diz que “Na disputa da fase Semifinal as Associações que obtiverem o melhor índice técnico, na soma dos pontos ganhos na Primeira Fase, realizarão as suas partidas na condição de mandantes, com a vantagem de jogar pelo empate”.

Na fase classificatória o Sampaio terminou em segundo lugar do grupo A com 8 pontos, enquanto o Moto foi o primeiro do grupo B com seis pontos. Antes do jogo da semifinal entre as duas equipes, o Sampaio reclamou a vantagem junto à FMF, que se posicionou favorável ao Sampaio.

No jogo único da semifinal, o Moto fez 2 a 0, mas o Sampaio empatou a partida depois que um jogador do Moto foi expulso. Com o resultado, o Sampaio jogou a primeira partida da final do segundo turno contra o Cordino. Placar: 1 a 1.

 Após três dias o caso foi julgado pelo TJD-MA, que se posicionou favorável ao Moto e determinou a marcação da final entre Moto e Cordino no segundo turno.

O Moto chegou a viajar para Barra do Corda para enfrentar o Cordino, mas a partida não aconteceu, pois o Sampaio entrou com um pedido de ação cautelar no STJD para que o Campeonato Maranhense não prosseguisse enquanto o recurso não fosse julgado. A decisão foi aceita inicialmente em caráter liminar pelo presidente Ronaldo Piacente e posteriormente acatada por unanimidade pelo pleno do tribunal.

 Com a decisão desta quinta-feira, além do Sampaio ser confirmado na final do segundo turno, o jogo de ida também mantém o resultado, com o empate em 1 a 1.

A Federação Maranhense de Futebol (FMF) agora vai marcar o jogo de volta.

O Sampaio jogará pelo empate para garantir o título do segundo turno e jogar mais duas partidas contra o próprio Cordino, campeão do primeiro turno.   Caso o Cordino vença o jogo será campeão Maranhense de 2017 e o vice campeão será o Imperatriz.

 

Protesto pago por centrais sindicais sai do controle, prédios públicos são depredados e governo aciona as Forças Armadas

 

Folha de São Paulo

O protesto organizado por centrais sindicais e movimentos sociais contra as reformas previdenciária e trabalhista, pela saída do presidente Michel Temer e por eleições diretas transformou a Esplanada dos Ministérios, em Brasília, em um palco de batalha com a Polícia Militar e a Força Nacional nesta quarta (24).

Policiais militares deram tiros com armas letais na direção dos manifestantes. A Secretaria de Segurança do Distrito Federal informou que abrirá inquérito para investigá-los. “Esse procedimento não é o adotado”, afirmou.

Oito ministérios depredados, dois incendiados e 49 feridos –entre eles um manifestante baleado, um estudante de Santa Catarina que teve a mão decepada por um rojão e oito policiais– são alguns dos números do ato, que reuniu 45 mil pessoas, segundo a PM, ou 150 mil, de acordo com organizadores.

Por decreto, válido até o próximo dia 31, Temer convocou as Forças Armadas para conter manifestações de rua. À noite, os prédios dos ministérios já passaram a ter proteção de homens do Exército. Cerca de 300 militares do 32° GAC (Grupo de Artilharia de Campanha) estão espalhados pela Esplanada.

Com o prédio do Ministério da Agricultura em chamas, PMs que não dispunham de armas com balas de borracha sacaram armas comuns e dispararam. João Neto, militante da Força Sindical, disse que viu um homem ser atingido na boca, mas não soube precisar se era munição real ou de borracha. “Ele estava afastado, não estava fazendo nada, o policial sacou a arma e atirou”, disse.

Segundo a Segurança Pública, oito pessoas foram detidas sob suspeita de crimes como lesão corporal, dano ao patrimônio público, porte de arma branca e desacato.

A manifestação contra as reformas estava marcada desde antes de vir a público a investigação sobre Temer, resultante da delação da JBS. As suspeitas de corrupção e de obstrução da Lava Jato, divulgadas na semana passada, engrossaram o protesto.

“O ato foi maior do que o esperado, e 150 mil em Brasília são milhões representados pelo Brasil”, disse Guilherme Boulos, um dos coordenadores do MTST (Movimento dos Trabalhadores Sem Teto).

Membros do governo também avaliaram que o volume de pessoas foi significativo.

Autoridades calcularam que entre 500 e 600 ônibus de outras cidades chegaram a Brasília. A Folha encontrou manifestantes de São Paulo, Rio, Espírito Santo, Minas, Pará, Rio Grande do Norte, Paraíba e Rio Grande do Sul.

“É importante lutar por diretas, principalmente porque esse governo quer impor reformas sem consultar o povo e sem ter uma base de votos”, disse o agente comunitário de saúde Luciclaudio Bezerra, 39. Ele enfrentou viagem de cerca de 39 horas de ônibus de Santa Cruz (RN) a Brasília para participar do ato.

Foram mais de quatro horas seguidas de confronto ao longo do Eixo Monumental, onde ficam os ministérios. O ponto mais crítico foi o gramado próximo ao Congresso.

Manifestantes armaram barricadas de fogo com banheiros químicos e atiraram paus, pedras e fogos de artifício, enquanto a polícia lançava bombas de gás, spray de pimenta e balas de borracha. Havia sindicalistas, professores, estudantes e também pessoas mascaradas.

“Não sei direito como aconteceu, de repente senti o impacto e caí”, disse Vitor, 31, de Curitiba, ferido no braço por uma bala de borracha. Dois homens, de 18 e 35 anos, levaram tiros de bala de borracha nos olhos e foram levados ao Hospital de Base.

CONFRONTO

O conflito começou por volta das 13h30, quando a manifestação se aproximava de um bloqueio policial a 500 metros do Congresso. Primeiro, chegaram sindicalistas de roupa laranja da Força Sindical, que forçavam as grades e eram repelidos com spray.

Depois, uma multidão se engajou na tentativa de invadir o Congresso. Dos carros de som, líderes pediam calma, mas não eram ouvidos. “Companheiros mascarados, por favor, temos mães aqui, vamos manter a calma”, pediu a senadora Vanessa Grazziotin (PC do B-AM).

Quando ficou claro que as bombas não cessariam, líderes como Zé Maria (PSTU) disseram para os manifestantes resistirem à ação da polícia.

Um técnico de som da equipe da documentarista Petra Costa, que filmou os bastidores do impeachment de Dilma Rousseff, foi ferido na perna esquerda por uma bala de borracha da PM.

Em meio à confusão, participantes do ato começaram a recuar para o estádio Mané Garrincha, um pontos iniciais da marcha. Quem passava pela rua era atingido por bombas e disparos –um homem ficou com uma bala de borracha alojada no pescoço.

Usuários de ônibus no terminal rodoviário, a dois quilômetros do Congresso, sofreram com spray de pimenta. Jornalistas de vários veículos ficaram no fogo cruzado.

Por volta das 18h, a Esplanada dos Ministérios estava praticamente esvaziada pela polícia. Mais cedo, o governo liberou os servidores para que abandonassem rapidamente os prédios.