Aécio e Dilma estão em empate técnico, diz Datafolha; tucano tem 51% e petista, 49%

Folha de São Paulo

O segundo turno da eleição presidencial começa com uma disputa extremamente acirrada e aspectos inéditos.

Pesquisa Datafolha finalizada nesta quinta (9) mostra o senador Aécio Neves (PSDB) com 51% das intenções de voto válido ante 49% da presidente Dilma (PT).

É uma situação de empate técnico, já que a margem de erro é de dois pontos. Assim, o tucano pode ter entre 49% e 53%, a petista pode ter entre 47% e 51%.

Considerando todas as pesquisas do instituto desde 1989, é a primeira vez que um candidato que ficou em segundo lugar na disputa inicila aparece numericamente à frente do vencedor numa simulação de turno final.

Analisando o histórico da polarização PT x PSDB desde 2002, quando o ex-presidente Lula triunfou, é a primeira vez também que um tucano aparece numericamente à frente de um petista em simulação de segundo turno.

Em votos totais, Aécio tem 46% contra 44% para Dilma. Há 4% de eleitores dispostos a votar nulo ou em branco. Outros 6% estão indecisos.

Aécio vence Dilma em três das cinco regiões do país. Sua maior vantagem proporcional é no Centro-oeste (55% a 33%). A maior dianteira em votos é no Sudeste, região mais populosa (55% a 34%). No Sul, a diferença é mais apertada (50% a 41%).

Já Dilma vence Aécio no Nordeste, a segunda região mais populosa do país (60% a 31%), e no Norte, a área com o menor número de eleitores (56% a 37%).

Diferenças marcantes também são visíveis em outras segmentações investigadas pelo Datafolha, como os recortes por idade, renda e escolaridade.

Aécio vence entre os eleitores que têm até 34 anos. Dilma ganha junto aos que têm 45 anos ou mais. E há empate (50% a 50%) no grupo intermediário, o dos que têm entre 35 e 44 anos.

Conforme a renda, as intenções de voto em Dilma crescem quanto mais pobre é o eleitor. Ela tem 26% entre os que vivem em famílias que recebem mais de 10 salários mínimos por mês. Alcança 58% no segmento mais pobre (até 2 salários). Com Aécio a tendência é inversa.

Na escolaridade, o tucano cresce na medida em que melhora o grau de instrução. Ele pula de 40% no ensino fundamental a 67% no superior. Dilma vai na contramão.

O Datafolha investigou ainda o grau de convicção do voto. O placar também é equilibrado: 43% dizem que votam em Aécio “com certeza”, 42% respondem o mesmo para Dilma. Há 22% que “talvez” possam votar no tucano. O “talvez” de Dilma está em 14%.

Já os que afirmam que não votam em Aécio “de jeito nenhum” são 34%. Com Dilma, a rejeição alcança 43%.

MARINA

Dos eleitores que declaram ter votado em Marina Silva (PSB) no primeiro turno, 66% optam por Aécio agora, 18% escolhem Dilma. Outros 10% deste grupo está indeciso. E 6% afirmam que pretendem votar branco ou nulo agora.

Para 67%, o apoio de Marina a qualquer candidato seria “indiferente” na escolha do segundo turno. Para 16%, o apoio da pessebista “poderia” levar a votar no indicado. Para 13%, o apoio teria efeito inverso: não o faria votar no indicado.

AVALIAÇÃO

A avaliação do governo Dilma revela uma situação de estabilidade para a presidente da República. Nesta última pesquisa Datafolha, 39% das pessoas ouvidas julgam que o governo é ótimo ou bom. Trata-se do mesmo patamar nas duas pesquisas anteriores. Em seguida, 38% avaliam o governo como regular e 22% dizem que o governo é ruim ou péssimo –um ponto a menos que na pesquisa anterior.

O Datafolha ouviu 2.879 eleitores em 178 municípios na quarta e nesta quinta. O nível de confiança da pesquisa é 95% (em 100 levantamentos com a mesma metodologia, os resultados estarão dentro da margem de erro em 95 ocasiões). O registro da pesquisa no TSE (Tribunal Superior Eleitoral) é BR-01068/2014.