Com grande aparato de policiais, Roseana trata professores como marginais

Blog do John Cutrim

Os professores da rede estadual de ensino realizaram, no final da manhã desta quinta-feira (25), um manifesto pacífico nas imediações do Palácio dos Leões. O que chamou a atenção foi o forte aparato policial montado pelo governo. A impressão era de que a operação foi arquitetada para prender bandidos de alta periculosidade.

Quem viu pensou se tratar de algum um ato terrorista, devido à grande quantidade de viaturas e policiais armados até os dentes do batalhão de Choque da PM – algo que não se ver nas ruas e bairros da cidade para proteger a população. Contudo, o que a milícia do estado considerou como meliantes, eram apenas professores, muitos deles os quais policiais e familiares destes já passaram pelas suas mãos, que estavam lutando apenas por melhores condições de trabalho para a classe.

Cercas de ferro foram colocadas em toda a imediação do Palácio dos Leões para impedir o protesto dos profissionais da Educação, que entra hoje no segundo dia de greve geral. Como se fosse num campo de guerra, ninguém entrava e saia no espaço que dá acesso ao Palácio sem a revista de seguranças da governadora.

Não só os professores, mas a população reagiu indignada ao ter seu direito de ir e vir interrompido. O passagem de carros também foi obstruída, prejudicando o trânsito do local.

O ato durou cerca de uma hora e foi promovido pelo Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública do Maranhão. Ao chegaram à praça Dom Pedro II, onde fica a sede do governo, os manifestantes, com desabafos e gritos de ordem, chamaram a governadora Roseana Sarney de ditadora, diante da postura de repressão adotada pela mandatária..

“Professor na rua, Roseana a culpa é sua”, exclamaram os educadores. Não afeita ao diálogo e a muito menos conversa com trabalhadores, Roseana preferiu não interromper seu sono para recebê-los.

Reivindicações – Os educadores reclamam dos prejuízos das alterações feitas, pelo governo do Estado, na proposta do Estatuto do Educador e defendem a imediata aprovação do texto discutido amplamente e negociado com o próprio governo.

Com faixas e cartazes, os trabalhadores manifestaram repúdio às feitas pelo governo do Estado no projeto do Estatuto e à falta de cumprimento dos compromissos assumidos pelo governo com a categoria, com relação ao estatuto, que depois de um ano de negociação, guardou a proposta por mais cinco meses e não encaminhou o documento para votação na Assembleia Legislativa.

A proposta do jeito que está acaba com a promoção, altera a regularização da Gam (gratificação por atividade em sala de aula) e, se implantada, será pior do que a vigente. Desde 2007, os professores iniciaram discussão ampla e ostensiva para assegurar piso de correção, valorização e que as mudanças propostas pelo governo representam um golpe duro na categoria.

Saiba mais

Governo manda polícia intimidar educadores em caminhada por direitos

Veja, abaixo, imagens marcantes do movimento captadas pelo blog.