De volta à Venezuela, Hugo Chávez reaparece diante de multidão eufórica em Caracas

Chefe de Estado apareceu sorridente, vestido de militar e usando uma boina vermelha - Montagem com fotos da AFP Chefe de Estado apareceu sorridente, vestido de militar e usando uma boina vermelha Foto:Montagem com fotos da AFP

O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, apareceu nesta segunda-feira à tarde diante de milhares de simpatizantes que o aguardavam eufóricos no palácio de governo em Caracas, depois de seu retorno de Cuba, onde foi operado de um tumor cancerígeno. O chefe de Estado apareceu sorridente, vestido de militar e usando uma boina vermelha, levantando uma bandeira venezuelana diante de uma multidão agitada que entoou junto dele o hino nacional.

— Viva a Venezuela, viva a revolução bolivariana, viva o povo venezuelano. Viva a união da América Latina, viva Fidel, viva Cuba, viva a vida! — disse o chefe de Estado.

— E viva Chávez! — completou.

Entre as centenas de pessoas que se reuniram para receber Chávez havia uma mistura de euforia e alívio por ver o presidente de volta.

— Uh, ah, Chávez não se vá — repetia a multidão.

Chávez, 56 anos, retornou a Caracas nesta segunda-feira de madrugada depois de passar mais de três semanas em Cuba, onde foi operado com êxito de um tumor cancerígeno na “região pélvica”.

Bandeiras de Cuba, fotografias de Chávez e cartazes que davam as boas-vindas e se declarava apoio ao líder da revolução bolivariana multiplicavam-se. “Adiante comandante”, “Te amamos, te queremos, até a vitória sempre”, diziam os cartazes.

— Ele voltou com entusiasmo para dizer a seu povo que há Chávez para muito tempo. Até 2024 — disse Roiman Navas, 38 anos.

— Agora que o vejo tenho força, porque ele é o espírito para que tenhamos força — completou Carmen García, totalmente vestida de vermelho.

O presidente, que não foi hospitalizado em seu regresso, confiou em seu pleno retorno à vida política, apesar de permanecerem as dúvidas sobre sua saúde.

Chávez, no poder desde 1999, é candidato de seu partido, o PSUV, para as eleições presidenciasi de 2012, quando aspira a um terceiro mandato de seis anos. A oposição ainda não elegeu seu candidato.

AFP