Deputado do Rio de Janeiro torra R$ 108 mil só com despesas telefônicas

Folha de São Paulo

Eduardo Cunha

Eduardo Cunha (PMDB-RJ) é o campeão em gastos com telefone

Famosa por reembolsar as mais diversas modalidades de gasto, a Câmara também banca despesas telefônicas dos deputados. Contas altas são comuns, mas chama a atenção a fatura do peemedebista Eduardo Cunha (RJ), candidato favorito à presidir a Casa a partir de fevereiro.

Campeão no gasto com celulares e fixos entre os 513 deputados, ele já cobrou R$ 108 mil de reembolso neste ano (até outubro). Uma conta média de R$ 10,8 mil por mês.

Como líder da bancada, Cunha tem direito ainda a outros telefones da ampla Liderança do PMDB, que é o gabinete que ele usa com mais constância. Esses gastos não entram na cota listada acima.

Vicentinho (SP), líder da bancada do PT, a maior da Casa, pediu R$ 20,7 mil por gastos de telefonia nos primeiros dez meses de 2014. Apenas 19% do valor total ressarcido a Cunha no mesmo período.

Eduardo Cunha afirma que o telefone é muito importante para sua atividade. Diz que a maior parte dos gastos é com um pacote de serviços de rádio da Nextel, com o qual consegue falar com os funcionários de seus gabinetes em Brasília e no Rio sem cobrança de interurbano, pagando apenas a assinatura.

Do valor das faturas ressarcidas, 40% são dessa operadora. Segundo ele, entre 10 e 12 linhas ficam a disposição dos assessores.

O deputado destaca que não usa o limite da verba indenizatória –R$ 32,6 mil mensais, destinados também a gastos como alimentação, combustível, aluguel de escritório e hospedagem– e que as faturas de telefone são frutos exclusivos de atividade parlamentar.

“Cada um usa [a cota] naquilo que é melhor [para o mandato]. Para mim, a despesa de telefone é cara ao meu mandato, para o exercício da atividade”, afirmou.

O ato da Mesa que instituiu a Cota para o Exercício da Atividade Parlamentar diz que o reembolso será feito apenas por gastos com “contas telefônicas de comprovada responsabilidade do deputado”, além de ligações a cobrar, interurbanas, nacionais e internacionais originadas nos ramais dos gabinetes.