E a Roseana voltou mesmo para quê?

Blog do Felipe Klamt

Nem precisa de uma análise comportamental para entender a razão pelo qual a governadora Sarney não fez falta na vida de ninguém durante a sua transloucada viagem em busca da paz nos Estados Unidos.

Tudo continua como ela deixou. Os assessores na mesma incompetência de sempre, os estudantes analfabetos de pai e mãe, os da terra arrancando a subsistência na roça do toco, o dinheiro público esvaindo pelo ralo da corrupção e a miséria como membro indesejável nas famílias maranhenses.

Devia ter continuado perambulando nos tapetes verdes, a questão constitucional do afastamento seria resolvido pelos passivos deputados do grupo. Na direção ficaria o Abreu atendendo as ligações do marido patrão e o Luis Fernando rastreando o Dino. As peripécias para o Ricardo Murad.

Tudo como sempre, com os mesmos de sempre. A única diferença seria a felicidade da Sarney ficando longe deste enfadonho lugar de gente pobre e naturalmente pedinte.

Saiba mais

Depois de férias em Las Vegas, Roseana Sarney reassume o governo do Maranhão neste 1º de abril, dia da Mentira