Escola em Paraibano é destruída por vândalos e governador Flávio Dino nada faz

Aliados de Dino em Paraibano (Geralda do PC do B) e em São João dos Patos (vereador Jardel e a gestora Luciana Leocádio) estão de olhos fechados diante da destruição da escola

Escola de Paraibaino

Escola Paraibano abandonada

A escola Edson Lobão,  pertencente à rede pública estadual do Maranhão, localizada no município de Paraibano segue abandonada pelo governador Flávio Dino e pelo secretário de educação, Felipe Camarão.

Conforme denúncia publicada no Facebook pelo jornalista Léo Lasan, editor do blog Paraibano News, a escola que conta com 12 salas de aula, laboratório de informática, quadra, cantina, banheiros está completamente destruída por vândalos.

A escola durante o governo de Roseana era usada pela prefeitura de Paraibano, em 2015 foi requisitada pela Gerência Regional de Educação, comandada pela Luciana Leocádio, aliada de Dino. Desde que o prédio voltou a ser administrado pelo governo Dino, nada foi feito para recuperar a escola.

Segundo Lasan, os vândalos usam as dependências da escola para consumir drogas, praticar sexo e  realizar assaltos aos moradores que passam próximo da escola.

Há mais de um ano sem segurança, os vândalos invadiram a escola e aos poucos foram destruindo tudo. O cenário é de guerra, tudo estragado. Vários livros foram destruídos. A Polícia foi acionada por moradores assustados com a baderna, a PM fez repressão contra vândalos no local, mas a situação continua assustando os vizinhos. Nem mesmo os mortos descansam em paz. O muro que divide a escola de um cemitério também foi derrubado e os vândalos estão saqueando materiais dos túmulos.

Ainda de acordo com Lasan, a  prefeita de Paraibano Aparecida Furtado (PDT) e a presidente da Câmara Municipal, vereadora Ana Célia (PR), se redimiram do caso e entregaram cópias de documentos enviados desde o início do ano para todos os responsáveis pela escola, pedindo o prédio para utilização de ações dos Programas Sociais (como vinha sendo utilizado no Governo anterior), mas as solicitações foram negadas pelo governo Flávio Dino.

 A gestora Luciana Leocádio, foi procurada por Lasan para prestar esclarecimentos sobre esse crime contra a educação, contudo a mesma segue em silêncio sepulcral há mais de um mês.

Fotos: Léo Lasan.