Estudantes do Maranhão têm a segunda pior média do Pisa

Programa avalia conhecimentos de leitura, matemática e ciências. Além do DF, nove estados superaram a média brasileira.

 

Escola na zona rural de Presidente Dutra-MA.(Foto:Blog Adonias Soares)

O Distrito Federal foi o estado que apresentou o melhor desempenho nas provas de ciências, matemática e leitura do Programa Internacional de Avaliação de Alunos (Pisa) de 2009, elaborado pela Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). Os dados foram divulgados nesta terça-feira (6) pelo Ministério da Educação.

O Pisa avalia estudantes nascidos em 1993 matriculados em qualquer série a partir da 7ª série (8º ano) do ensino fundamental. O ranking é divulgado a cada três anos. O programa avalia o conhecimento de leitura, matemática e ciências dos adolescentes.

A média do Distrito Federal (439) está acima da registrada pelo Brasil (401). Ainda, superaram a média brasileira, os estados de Santa Catarina (439), Rio Grande do Sul (424), Minas Gerais (422), Paraná (417), Espírito Santo (414), São Paulo (409), Rio de Janeiro (408), Mato Grosso do Sul (404) e Goiás (402).

Apesar do melhor desempenho de ter sido do Distrito Federal, a Região Sul teve destaque no ranking já que os estados de Santa Catarina, Rio Grande do Sul e Paraná aparecem entre os cinco mais bem avaliados, com médias superiores a do Brasil.

No último levantamento, em 2006, a Região Sul do país foi a que apresentou melhor desempenho nos resultados das provas de ciências, leitura e matemática. Os estados da Região Centro-Oeste do Brasil ficaram em segundo lugar em matemática e ciências e a Região Sudeste ocupou a segunda posição em leitura. A Região Nordeste apresentou os índices mais baixos nas três áreas avaliadas.

Na avaliação de 2009, os três estados com pior desempenho na média geral são do Nordeste. São eles: Alagoas (354), Maranhão (355) e Rio Grande do Norte (371). No total, 17 estados estão abaixo da média do Brasil.

Informações: Fernanda Nogueira e Vanessa Fajardo/Do G1, em São Paulo

Comentário meu:

A solução para mudar este triste quadro que assola a educação maranhense, passa pela formação e valorização dos professores ,proporcionando salários dignos(o piso nacional de 40h de trabalho no valor de R$ 1.024,00 é um desrespeito aos profissionais da educação – até bóia-fria ganha mais que professor),investir na infra-estrutura das escolas,tornando-as ambientes agradáveis  e com condições mínimas de funcionamento para a prática do ensino-parendizagem,contrução de bibliotecas com vasto acervo(apenas 62 dos 217 municípos maranhenses  possuem biblioteca) e maior acompanhamento dos pais entre outros.Simples!