EUA suspendem negociações comerciais com a Rússia

Estado de São Paulo

O governo dos Estados Unidos anunciou no fim da noite desta segunda-feira, 3, a suspensão das negociações para reforçar os laços comerciais com a Rússia. A decisão faz parte da pressão norte-americana sobre Moscou por causa dos reforços enviados às bases militares russas na Península da Crimeia, no sul da Ucrânia.

“Devido aos recentes acontecimentos na Ucrânia, suspendemos as negociações comerciais e de investimento com o governo da Rússia”, disse um porta-voz de Michael Froman, representante de comércio dos EUA.

Mais cedo, o presidente norte-americano, Barack Obama, disse que estava avaliando uma série de punições econômicas e diplomáticas à Rússia por causa do envio de mais tropas à Ucrânia.

Enquanto a Rússia expandia seu controle sobre a Península da Crimeia nesta terça-feira, o governo da Ucrânia denunciou um ultimato do Kremlin para que as forças ucranianas se rendam e evitem um ataque militar. Em Washington, Obama passou o dia tentando alinhar seus aliados em busca de uma resposta a Moscou. “A Rússia está do lado errado da história”, disse o americano.

“Ao longo do tempo isso será custoso para a Rússia. Agora é a hora de eles considerarem se podem defender seus interesses por meio da diplomacia, não pela força”, disse Obama, que prometeu sanções econômicas caso Moscou não recue.

A Rússia mantém uma importante base naval na Crimeia, região considerada estratégica pelo presidente Vladimir Putin, na qual os russos formam a maioria da população. Por isso, enquanto Bruxelas e Washington condenaram a intervenção militar, Moscou diz estar apenas protegendo cidadãos que vivem na área.

O Ministério da Defesa da Ucrânia disse que a Marinha russa deu um ultimato a dois navios de guerra do país. O governo russo negou a acusação, que qualificou de “sem sentido”. De acordo com os militares ucranianos, ao menos quatro navios de guerra russos no porto de Sebastopol bloquearam a passagem de embarcações com bandeira ucraniana. A tripulação foi informada que, se não se rendesse, os navios seriam invadidos e apreendidos.

Segundo a rede de TV americana CBS, uma situação semelhante ocorreu em uma base aérea ucraniana na Crimeia. Soldados russos teriam exigido que os militares deixassem o local. Mais cedo, a agência russa Interfax noticiou que o comandante da frota russa no Mar Negro, Alexander Vitko, deu um ultimato de rendição a todas as forças militares na Crimeia até a meia-noite de hoje (horário de Brasília). Kiev negou que tenha recebido as ameaças e disse que o único ultimato foi feito aos dois navios no porto de Sebastopol.

Mais cedo, as tropas russas expandiram seu controle sobre a Crimeia. Caças Sukhoi violaram o espaço aéreo ucraniano, fechado desde domingo. Moscou mobilizou tanques na fronteira e ocupou o porto de Kerch, principal ligação entre a Crimeia e o litoral russo, que pode ser crucial para um eventual desembarque de tropas. Na cidade vizinha de Nikolaiev, moradores relataram a chegada de mais tropas russas. Em Sebastopol, o serviço de telefonia foi cortado em algumas áreas da cidade.

Oleksander Turchinov, presidente interino do país, pediu que Moscou pare com o que ele chamou de “agressão e pirataria”. “Isto é um crime e vocês responderão por isso.” O primeiro-ministro, Arseni Yatsenyuk, insistiu que a Crimeia faz parte da Ucrânia. “Qualquer tentativa de anexar a Crimeia não terá sucesso. Mas precisamos de apoio tangível e real de nossos parceiros ocidentais”, disse o premiê.

Quebra de silêncio. A China rompeu ontem o silêncio sobre a crise ucraniana no Conselho de Segurança da ONU e pediu que todas as partes busquem uma solução política dentro da legalidade para o conflito. O embaixador chinês na ONU, Liu Jievi, assegurou que seu governo está “profundamente preocupado” com a crise. (Com informações da Dow Jones Newswire e de O Estado de S. Paulo).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Uma Resposta para EUA suspendem negociações comerciais com a Rússia

  1. erica disse:

    Muita gente não dá atençao à estes fatos ocorrendo agora naquela regiao,mas é super grave tudo isso e pode colocar a existência humana na terra em perigo.lembro que os EUA pretendiam efetivar uma rede de misseis em paises da europa central,no quintal da Rússia ,o que provocou reaçao irada do entao Presidente Medvedev,que ameaçou explodir a Europa toda.e agora mais este embate entre potencias que podem se aniquilar e levando o planeta juntos…muito grave