Jovem vítima de tiro na cabeça precisa fazer cirurgia no valor de R$ 40 mil

Tiro transfixou a cabeça da vítima durante assalto ocorrido em São Luís

foto

O texto abaixo que você vai ler está circulando no WhatsApp. Relata o drama um rapaz que foi atingido com um tiro na cabeça em abril de 2014 durante um assalto no bairro Cohab, em São Luís (MA).

Para comprovar a veracidade do texto, o editor desta página entrou em contato por telefone com a senhora Ariadne na tarde desta segunda-feira (28). Ariadne confirmou a veracidade do texto, autorizou a publicação no blog  e ainda  encaminho uma foto do seu filho no leito do hospital.

Veja abaixo o relato do fato acontecido.

Era uma noite de quarta-feira, 19 de abril de 2014, o jovem Wallace, 15 anos, saía de sua casa no bairro Cohab, em São Luís, para comprar um lanche em um shopping a poucos metros de onde mora. Quando retornava, por volta das 21h, sua mãe, Ariadne, ouvia um estampido semelhante a disparo de arma de fogo. Ela, imediatamente, saiu de sua casa para ver o que havia acontecido. “Eu estava em casa quando ouvi o disparo e quando sai vi meu filho caído no chão com três pessoas ao redor” – relatou a mãe.

Segundo testemunhas, Wallace havia sido abordado por três homens que estavam em um veículo e anunciaram o assalto.  Na ação levaram seu aparelho celular e dispararam um tiro que transfixou a cabeça da vítima.

Ariadne levou seu filho ao Hospital particular São Domingos, onde foi realizada a cirurgia. Como ele não tinha plano de saúde, a admissão foi feita como atendimento particular. Como os valores das diárias de internação eram muito altos, a família solicitou a transferência para a rede pública, o que não foi atendido. Seu tratamento continuou no hospital São Domingos, onde ficou 30 dias em coma na UTI.  Ao receber alta, sua dívida com o hospital somou aproximadamente R$ 300.000,00 (trezentos mil reais).

Para Ariadne, seu filho ter acordado do coma foi uma grande vitória, mas os traumas adquiridos indicavam que a luta pela vida de jovem só havia iniciado. O estado de saúde dele inspirava uma corrida desesperada contra o tempo e de cuidados médicos de especialistas. Segundo a mãe, foram noites mal dormidas e uma busca incessante de médicos em hospitais de referência na área de neurologia até encontrar uma equipe de especialistas no Distrito Federal.

Com início do tratamento, Wallace teve que se deslocar várias vezes para o Distrito Federal onde passou a ser acompanhado por uma equipe composta de um neuro-cirurgião, um neuro-oftalmologista, um oftalmologista especialista em órbitas e um otorrinolaringologista especialista em cirurgia crânio maxilo-facial.

Após uma bateria de consultas e exames, a equipe médica emitiu parecer declarando a necessidade urgente de outra neuro-cirurgia para implantar uma tela de titânio entre o olho direito, o cérebro e o nariz para corrigir danos resultantes da lesão causada pelo projétil.

Segundo os médicos, como o osso dessa região foi totalmente destruído, o cérebro está comprimindo fortemente o olho, fazendo com que o olho pulse o tempo todo, o que pode resultar na perda da visão.  Ariadne explicou ainda que além desse comprometimento no olho direito, o visão do olho esquerdo também foi totalmente comprometida, e que há o risco iminente de uma grave infecção cerebral devido à comunicação direta que existe entre nariz-olho-cérebro.

O pedido de cirurgia já foi feito, mas o plano não cobrirá todas as despesas do procedimento, ficando uma parte para a família custear, num valor estimado em 40 mil reais.

Os amigos têm promovido várias campanhas para ajudar Wallace e a família espera receber a ajuda das pessoas que se sensibilizarem com a situação. E quem puder ajudá-la, seus dados bancários são:

Ariadne Martins (Fone: 99609-8953)
Banco do Brasil
Agência: 3650-1
Conta Corrente: 34952-6

Banco Bradesco
Agência: 1167-3
Conta Corrente: 12487-7