Juiz aposentado Jorge Moreno faz duras críticas a Flávio Dino

jorge moreno

O juiz aposentado Luís Jorge Silva Moreno usou sua página no Facebook para fazer contundentes críticas ao governador Flávio Dino (PC do B).

Na sua página há diversos registros de críticas ao comunista Flávio antes de chegar ao poder e depois que chegou ao poder. A oligarquia Sarney também já foi alvo das críticas de magistrado por diversas vezes.

Jorge sempre usa sua página para divulgar todos os tipos de violências, opressões e injustiças contra o povo maranhense.

COMPORTAMENTO TÍPICO DE REPRESENTANTE DA “CASA-GRANDE”

Quando os “herdeiros da casa-grande” viajavam para a Europa, com a finalidade de estudar, principalmente, lá chegando vestiam a roupa de avançados, liberais e até mesmo revolucionários.

Mal chegavam à colônia, depois nação, tornavam a ser comportar como eram: filhos de escravocratas, agora com lábia, diferente do “sinhô”.

Assim se comporta o atual governador: fora, “dialogava com os servidores sobre prudência e cautela num momento de dificuldades para todos”, aqui, tratorava simplesmente e não se abria a nenhum diálogo.

Até mesmo porque sentença transitada em julgado é lei e lei deve ser aplicada.

Os momentos de dificuldades incluem os salários dos servidores, não as mordomias, gastos desnecessários, inchaço na folha de pagamento com contratações, cargos comissionados, obras eleitoreiras, etc.

Fora do Maranhão, um ardente combatente das oligarquias, dos escravocratas, dos grileiros, dos fichas-sujas.

Aqui, defensor intransigente das piores oligarquias, de escravocratas, que até financiaram sua campanha, de todas as espécies de fichas sujas.

Medidas práticas para esclarecer o rombo, fazer auditoria rígida e denunciar quem foi “irresponsável fiscalmente” até agora nada.

O governo é o que será até o fim: um misto de incompetência, arrogância, irresponsabilidade e mediocridade.

Sobre Jorge Moreno

Jorge Moreno sempre foi um magistrado coerente, comprometido com a democracia e defensor dos direitos humanos. Em 2006, recebeu o Prêmio Nacional dos Direitos Humanos por, dentre outras iniciativas, ter levado o município de Santa Quitéria a zerar o sub-registro de nascimento.

Depois disso, o judiciário do Maranhão “orgulhoso” do feito do jovem e íntegro magistrado, resolveu “premiá-lo” com aposentadoria compulsória, em um processo cheio de falhas e negligências.