Mesmo proibida pela Justiça, ‘guerra de espadas’ é realizada na Bahia

A prefeitura chegou a entrar com um recurso contra a decisão judicial, mas a juíza Luciana Amoria negou o pedido nesta quarta

Correio da Bahia

Mesmo proibida, guerra de espadas foi realizada em Cruz das Almas (BA), na noite desta quinta-feira (Foto: Lúcio Távora/Ag. A Tarde/Folhapress)

No primeiro dia dos festejos juninos na cidade de Cruz das Almas, a população está desrespeitando a proibição do uso de espadas, mas até as 19 horas desta quinta-feira (23), ninguém foi preso em flagrante, segundo informações da delegacia do município.

De acordo com denúncias de leitores ao Correio24horas, a guerra entre espadeiros está concentrada nas ruas da Estação e da Rodoviária, onde estavam concentrados o uso dos fogos de artifício nos anos anteriores, quando o uso das espadas ainda era permitido.

De acordo com o tentente Souza, da 27ª Companhia Independente da Polícia Militar (CIPM), dezenas de denúncias já foram enviadas à PM, mas os espadeiros se escondem com a chegada dos militares, que estão utilizando 6 viaturas para conter a ação.

Ainda segundo o tenente, apenas uma pessoa ficou ferida com a espada no primeiro dia de festa, contra os 80 casos de feridos registrados no dia 23 do ano passado.

Proibição
A proibição da guerra de espadas foi decidida pela Justiça a pedido do Ministério Público estadual (MP-Bahia), que alegou que a guerra de espadas colocava em risco a integridade física dos moradores e do patrimônio público de Cruz das Almas.  A prefeitura chegou a entrar com um recurso contra a decisão judicial, mas a juíza Luciana Amoria, do Tribunal de Justiça da Bahia, negou o pedido nesta quarta-feira (22).