No melhor governo de Roseana, homicídios batem recorde na Ilha de São Luís com 79 casos em 22 dias

 Estatística dos crimes de morte na Ilha já alcança 272 casos

Por Oswaldo Viviani

Com o homicídio da manhã de ontem no Bairro de Fátima – que vitimou o ex-presidiário Luís Gustavo Pinto de Sousa, de 26 anos – subiu para 79 o número de assassinatos ocorridos na Grande Ilha (São Luís, São José de Ribamar, Paço do Lumiar e Raposa) só nesses 22 dias de abril. A média é de mais de 3,5 assassinatos por dia.

O total parcial já é recorde do ano. Março teve 67 homicídios; fevereiro, 51; e janeiro, 75. Transcorridos pouco mais de três meses e meio do ano, a estatística dos crimes de morte na Ilha já alcança 272 casos – 68 assassinatos a mais do que o mesmo período o ano passado.

Comparado com o cenário de abril de 2012, que teve, no mês inteiro, 59 assassinatos – entre eles o que vitimou o jornalista Décio Sá, crime que hoje completa um ano –, este mês confirma que os crimes de morte estão se tornando perigosamente fora do controle na Grande Ilha.

Faltando ainda 8 dias para terminar este abril, os homicídios já ultrapassaram em 20 o total registrado no abril inteiro de 2012.

Assassinatos no fim de semana – No sábado (20) e no domingo (21), 10 pessoas foram assassinadas na Grande Ilha. Quatro pessoas foram mortas no sábado, e seis no domingo.

O detento Paulo Sérgio Nascimento, de 26 anos, está entre as vítimas do fim de semana. Ele foi morto a chuçadas no Centro de Detenção Provisória (CDP) de Pedrinhas, no fim da noite de domingo. Foi o 8º homicídio ocorrido no Complexo Penitenciário de Pedrinhas neste mês. Os outros foram na CCPJ (Central de Custódia de Presos de Justiça; 5 mortes) e Penitenciária (2 mortes).