Número de mortos no Nepal passa de 3.200; países enviam ajuda

Folha de São Paulo

Nepal

Socorristas tentavam ainda neste domingo (26) encontrar sobreviventes do terremoto que magnitude 7.8 que atingiu o Nepal deixando mais de 3.200 mortos.

Durante a manhã, ocorreram réplicas do abalo na região, uma delas de magnitude 6.7.

Na capital Katmandu, pessoas passaram a noite ao ar livre ou em cabanas.

O governo nepalês afirmou que 3.218 mortes foram confirmadas no país. Além disso, há 6.538 feridos.

Na Índia, autoridades estimam que 57 pessoas morreram. A TV estatal chinesa informou que 17 pessoas morreram na região do Tibete.

O abalo foi o pior registrado no Nepal em 80 anos e o número de mortos poderia ser ainda pior, disse um responsável da ONG Médicos Sem Fronteiras. Segundo ele, as organizações humanitárias estão tendo dificuldade em avaliar a catástrofe.

Os EUA e a União Europeia prometeram enviar ajuda.

Uma equipe de 52 médicos e socorristas, especializados na busca de pessoas soterradas, além de cães treinados estão seguindo para o país. A França também enviou socorristas e equipamentos de emergência.

Sessenta e duas equipes de resgate chinesas já chegaram ao Nepal com cães treinados.

O Japão enviou imediatamente uma equipe de especialistas em terremoto formada por 70 policiais, bombeiros e membros da Guarda Costeira.

O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, disse que as “Nações Unidas estão apoiando o governo do Nepal na coordenação das operações internacionais de busca e resgate e estão se preparando para organizar um grande esforço de assistência”.

“Temos colocado todos os nossos recursos para a busca e resgate”, disse o porta-voz da polícia nacional, Kamal Singh Bam. “Enviamos helicópteros para as áreas remotas e estamos fazendo buscas em escombros de edifícios para tentar encontrar alguém.”

No Everest, onde o terremoto causou avalanches, seis helicópteros retiraram feridos que estavam no acampamento-base, a 5.000 metros de altitude.