O salário mínimo e o salário dos pais-da-pátria: um abismo separa o país real do Brasil Maravilha guardado no cartório

Blog do Augusto Nunes, da Revista Veja

Entre o salário-mínimo reajustado pela Câmara (R$545,00) e o salário dos que aprovaram o reajuste (R$ 26.723, 13, depois do aumento de 61,8% que se concederam em dezembro), a diferença é de R$ 26.178,13. Essa quantia equivale a

  • 131 bolsas-família.
  • 476 quilos de picanha.
  • 1.189 quilos de carne de contrafilé
  • 11.382 quilos de arroz
  • 4.363 quilos de feijão-fradinho
  • 9.027 passagens do metrô de SP
  • 1.454 ingressos para o cinema
  • 52 bicicletas Caloi Aro 26
  • 22 televisore Samsung LCD 32 polegadas
  • 18 geladeiras Brastemp 342 litros
  • 131 pares de tênis Nike Air Max
  • 1 carro popular
  • 145 passagens de ida e volta na ponte aérea Rio-SP
  • 1.047 livros infantis
  • 1.745 DVDs
  • 21 computadores pessoais (notebook HP com processador Intel Dual Core, 3 gigabytes de memória e HD de 320 Gigabytes)
  • 3.022 frascos de óleo de peroba

Em dezembro, Lula e Dilma Rousseff não viram nada de errado no aumento repulsivo aprovado pelo Congresso que controlam. O discurso da austeridade não vale para os parceiros que, somados os demais benefícios, embolsam mais de R$ 1 milhão por ano.

Neste fevereiro, o ex-presidente e a sucessora impuseram a quantia endossada pela imensa maioria da Câmara. Os dois garantem que governam para os pobres. Segundo números oficiais, 47,7 milhões de brasileiros sobrevivem com um salário mínimo ou menos.

 Se Lula, Dilma e seus parceiros tentassem atravessar um mês com R$ 545,00, conheceriam o abismo que separa o país real do Brasil Maravilha que só existe na papelada que seu inventor guardou num cartório.