Vereadora Dênia Sá assume o comando do PTN em Paraibano

Denia

O Partido Trabalhista Nacional (PTN) passou a ter representante no município de Paraibano (MA) desde sexta-feira (4). A vereadora Dênia Sá vai comandar a legenda no município.

O comando do partido em Paraibano foi definido na sexta-feira (4), em São Luís, no escritório do deputado federal Aluísio Mendes (PTN).

Com a ida para a nova legenda, Dênia aumenta as chances de ser a provável candidata a vice-prefeita na chapa do pré-candidato a prefeito Zé Hélio (PT). Detalhe: Zé Hélio é primo do ex-vereador Lindon Johnson, esposo de Dênia.

Participaram da reunião os vereadores Jair (PT do B), Cazuquinha que trocou o PHS pelo PTN e o ex-vereador Lindon Johnson.

A ida de Cazuquinha para o PTN deixou prefeita Aparecida Furtado (ex-PV e agora PDT) com muita raiva, disse uma fonte. Mas isso é outra história.

Vereador Jair assume comando do PT do B em Paraibano

jair

O Partido Trabalhista do Brasil (PT do B) tem novo comando em Paraibano. Sai Cruz e entra seu primo, o vereado Jair, que já é filiado ao partido desde 2011.

A reunião que garantiu Jair no comando da sigla aconteceu sexta-feira (4), em São Luís, no escritório do deputado federal Aluísio Mendes (PTN).

Com essa decisão, Cruz deverá procurar outro partido.

A reunião contou com a participação da presidente estadual do partido, a prefeita de Bom Jesus das Selvas, Cristiane Damião, dos vereadores Cazuquinha e Dênia, e do ex-vereador Lindon Johnson.

Video: Pixuleko esfaqueado por baderneiros do PT em São Luís é inflado em Belém (PA)

O Pixuleko – boneco que representa o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva como presidiário que foi esfaqueado por petistas fanáticos na manhã de sábado (4), em São Luís foi encaminhado para de Belém ainda no sábado (4), após levar seis facadas.

Em Belém, foi montada uma força tarefa para recuperar o boneco gigante. Depois de recuperado, o Pixuleko foi inflado na Praça da República neste domingo (6).

Diferente de São Luís, o protesto contou com a presença do prefeito de Belém, Zenaldo Coutinho (PSDB), deputados e outras autoridades do Estado.

Segundo a Polícia Militar, cerca de 400 pessoas se reuniram no local durante a manifestação que foi pacífica.

Veja o vídeo do Pixuleko inflado em Belém.

Vídeo: Pixuleko leva seis facadas dos baderneiros do PT em São Luís

Pixuleko pesa 100kg vazio, 300 Kg cheio e custou R$ 12 mil.

LULA BANDIDO

O Pixuleko – boneco que representa o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva como presidiário foi esfaqueado por petistas fanáticos na manhã de sábado (4) em São Luís. Os petistas partiram para o ataque com pedras, facas e sucho. Houve muita pancadaria. A polícia não usou gás de pimenta para dispersar os fanáticos petistas.

Entre os petistas que comandaram a baderna estavam Raimundo Monteiro (presidente do PT no Maranhão), Teresinha Fernandes (ex-deputada federal e esposa do ex-prefeito de Imperatriz, Jomar Fernandes), Márcio Jardim (secretário de esportes no governo Dino), Kleber Gomes, Zé Inácio (deputado estadual), Chocolate, Júlio Pinheiro (PC do B).

Um petista foi preso acusado de está portanto uma faca tamanho 12 (faca gigante). Durante a prisão um petista identificado por Chocolate gritou: ” Cadê o governo? Estão prendendo o cara, caralho”.

O ato de selvageria por pouco não resultou em tragédia.

No Facebook, o médico Dr Allan postou o vídeo do Pixuleko esfaqueado – o vídeo já foi compartilhado 2.434 vezes e reagiu indignado com a atitude covarde dos petistas.

‘Hoje, 05 de março, aqui em São Luis do Maranhão, vejam o resultado da covardia destes comunistas(PT, PCdo B, CUT e MST), nos agrediram e ainda retalharam o PIXULECO. Estavam armados com facas, vejam os cortes que eles fizeram no PIXULECO.Se estão pensando que vou desistir, mando dizer que não desistirei da minha pátria, Brasil’.

Assista o vídeo e veja como ficou o Pixuleko.

Veja também:

Secretário Márcio Jardim enfrenta policiais e comanda baderna na Maria Aragão

MARANHENSE: Maranhão arranca empate contra Sampaio Corrêa e vai à final contra o Moto

Futebol Interior

mac

O Maranhão confirmou sua classificação para a final do primeiro turno do Campeonato Maranhense neste domingo. A equipe recebeu o Sampaio Corrêa e contou com o bom resultado obtido na partida de ida para carimbar sua a passagem para a finalíssima do torneio, contra o Moto Club, que bateu o Cordino na outra semifinal neste sábado.

Quando as equipes se enfrentaram na partida de ida, com mando do Sampaio Corrêa, o Maranhão conseguiu vencer pelo placar de 1 a 0, que fez toda diferença na partida de volta neste domingo. Jogando no Castelão, Maranhão e Sampaio Corrêa ficaram empatados por 3 a 3, resultado que garantiu a classificação do Maranhão.

O Sampaio Corrêa começou a partida com tudo e até chegou a ficar com a classificação em mãos. Aos 4 minutos, Carlos Alberto já abriu o marcador para o Tricolor. Edgar não perdeu tempo e ampliou aos 8. A resposta do Maranhão veio ainda no primeiro tempo. Gilearde diminuiu aos 37 para o Macão.

Na volta do intervalo, um balde de água fria no Maranhão. Aos 21, Felipe Costa fez o terceiro do Sampaio e ampliou a vantagem para dois gols. Mas o Macão não se entregou e conseguiu dois gols na reta final para ficar com a vaga na finalíssima. Paulo Cesar fez o segundo do Macão ao 42 e, aos 47. Ratinho definiu a passagem do Maranhão. O clássico Maremoto agitará as terras maranhenses na decisão do primeiro turno do Campeonato Estadual.

Foto: D Jesus.

Secretário Márcio Jardim enfrenta policiais e comanda baderna na Maria Aragão

Blog do Linhares

LULA BANDIDO

Na manhã deste sábado (05) militantes do PT, CUT e membros do governo estadual impediram que um boneco do ex-presidente Lula fosse inflado. Armados com estiletes, facas e punhais, um grupo de petistas furou o boneco. Durante a confusão alguns policiais foram feridos.

O protesto contra a corrupção encabeçado pelo movimento Vem Pra Rua começou às 8h da manhã. O intuito dos manifestantes era convocar a população maranhense para os protestos do dia 13 de março.

“Decidimos montar o boneco em uma área em que não atrapalhasse as pessoas. O intuito era apenas mostrar nossa indignação, convocar outras pessoas que pensam como nós de forma pacifica e ordeira”, afirmou o médico Allan Garcês, um dos coordenadores do movimento.

Por volta das 9h30 um grupo de petistas foi até o local e ameaçou os manifestantes. A presença de policiais, solicitada pelo próprio Vem Pra Rua para evitar transtornos, não os intimidou.

“Eles diziam que não iriam deixar a gente encher o boneco e que iriam voltar”, afirmou um dos manifestantes.

Jardim PicaretaA promessa se cumpriu e por volta das 11h um grupo muito maior de petistas, desta vez acompanhados por militantes da CUT, chegou ao local. Eles estavam armados com facas, estiletes e punhais.

O secretário de esportes e lazer, Márcio Jardim, bateu boca com policiais exigindo que eles se juntassem aos petistas e impedissem a manifestação. Márcio estava acompanhado do deputado estadual Zé Inácio e de Raimundo Monteiro. Os três são membros do PT.

Quando perceberam que os policiais não iriam ceder às ordens do secretário, os petistas romperam o cordão de isolamento feito pelos policiais e partiram para cima dos manifestantes e do Pixuleco. Começou uma confusão generalizada. O secretário Márcio Jardim foi filmado e fotografado partindo pra cima de um policial. Alguns manifestantes afirmam ter sido agredidos, dois policiais foram feridos e o boneco foi rasgado.

“Nós ficamos tão atordoados com a selvageria que decidimos não reagir. Eles seguravam facas, estiletes, paus e pedras. Era como se estivessem dispostas a matar ou morrer por conta de um simples protestos pacífico”, disse Allan Garcês.

Um petista que segurava uma faca foi detido por policiais e encaminhado a uma delegacia. Após a confusão, várias lâminas de estiletes foram encontradas.

Tanto o secretário Márcio Jardim quanto o deputado estadual Zé Inácio deixaram o lugar comemorando e foram até a delegacia exigir a soltura do petista preso segurando uma faca.

Veja o vídeo da confusão

Lula fez comício em vez de dar explicações

Veja

lula preso

Lula ama suas plateias. As plateias de Lula o amam. Mas isso não é suficiente para apagar as evidências de prática de crimes que levaram a Polícia Federal a escoltá-lo para depor, na sexta-­feira passada, em uma delegação do órgão instalada no Aeroporto de Congonhas. Como todo populista, Lula é um defensor do igualitarismo, desde que ele seja sempre mais igual do que os outros. Um suspeito da autoria de crimes pelos quais ele é investigado, em especial o delito de ter enriquecido com repasses de dinheiro desviado de uma estatal que pertence ao povo brasileiro, é levado por policiais a depor coercitivamente. Basta que as autoridades decidam assim. Ponto. Mas Lula se acha acima da lei. Ele se sentiu no direito de debochar da Justiça e dos agentes policiais. Fez um pronunciamento depois de depor durante três horas à Polícia Federal sobre as razões pelas quais recebeu 30 milhões de reais de empreiteiras pegas na Operação Lava-­Jato por usufruírem um esquema de corrupção na Petrobras.

Lula nada explicou. Nada disse que ajudasse os brasileiros a entender por que recebeu milhões de reais de empresas condenadas por esquemas de propina na Petrobras e de lobistas traficantes de medidas provisórias no seu governo. Fez-se de vítima e encenou o número de sempre diante de sua plateia. Enalteceu as próprias qualidades e magnificou seus feitos nos oito anos em que presidiu o Brasil. Feitos, aliás, que ninguém discute. Lula foi um governante de imensa sorte, presidindo um país cuja economia recebeu mais de 200 bilhões de dólares de recursos extras produzidos por exportações de minerais e grãos que tiveram preços recordes no período. Se no lugar de Lula tivesse sido eleito um “poste”, essa massa espetacular de recursos teria sido injetada na economia brasileira da mesma maneira. Mas ter sorte não é um elemento desprezível na vida privada nem na pública. O problema para Lula é que, no âmbito da Justiça e nas encrencas que claramente ele tem com a polícia, a sorte não conta muito.

Foi louvável a tentativa de Lula de politizar os eventos de sexta-feira passada. Politizar é o instinto básico do ex-­presidente. Mas, como a sorte, esse atributo não ajuda muito Lula em suas atuais atribulações. Carlos Fernando Lima, um dos procuradores da Lava-­Jato, explicou o objetivo e a abrangência da Operação Aletheia (verdade, em uma tradução livre do grego). Disse ele: “Não temos nenhuma motivação política. A única consideração do Ministério Público é o legal versus o ilegal. Esta é apenas mais uma etapa da Operação Lava-Jato”. O procurador esclareceu que, ao levar Lula coercitivamente para depor – em vez de marcar uma hora para recebê-­lo na delegacia -, o MP quis evitar manifestações públicas de parte a parte. “Sabemos da polarização que existe no país e, para evitar maiores manifestações, procuramos fazer da maneira mais silenciosa possível.”

O dia de Lula: os bastidores do depoimento

Com “cara de quem não dormiu”, ex-presidente já tinha tomado café da manhã e abriu a porta para os federais

Veja

Lula

Quando a Polícia Federal bateu à porta do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva na manhã desta sexta-feira, o petista já os aguardava. Três seguranças e um assessor de Lula estavam de plantão desde a noite do dia anterior, em seu apartamento em São Bernardo do Campo (SP). Os policiais entraram com quatro carros na garagem do prédio e de lá interfonaram para falar com Lula. Foram atendidos por um empregado, que pediu para que eles aguardassem um pouco. Enquanto isso, o porteiro ligou para o síndico, que desceu imediatamente e levou os agentes da garagem até o apartamento de Lula, que foi quem abriu a porta. O petista já havia tomado café da manhã e estava pronto para sair de casa.

Vestindo um terno azul marinho bem escuro e calça jeans, Lula entrou em um carro descaracterizado da Polícia Federal e seguiu para o Aeroporto de Congonhas, onde depôs por três horas e 40 minutos. No final, foi oferecido um cafezinho a ele. No trajeto de ida, ele ficou calado e aparentava estar abatido, “com cara de quem não dormiu a noite inteira”, segundo relatos de agentes. Ele não levou telefone celular.

Assim que acabou o depoimento, Lula foi até a uma sala de embarque destinada a autoridades e recebeu cumprimentos de aliados e amigos, entre eles o ministro-chefe da Secretaria do Governo, Ricardo Berzoini; e dos deputados petistas José Mentor (PT), Paulo Teixeira (PT) e Vicente Cândido (PT). Além do secretário de transportes do município de São Paulo, Jilmar Tato e do ex-ministro do Esporte Orlando Silva (PCdoB). Esse último chegou cedo e praticamente comandou as ações de manifestação de apoio a Lula.

Polícia Federal deflagra nova fase da Lava Jato na casa de Lula e leva petista para depor

Veja

lula-pf

Lula, no banco de trás, deixa sua casa e é levado para depor pela PF

Um dia depois de o governo Dilma Rousseff ter sido atingido pela delação premiada do senador Delcídio do Amaral, a Polícia Federal fechou o cerco contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. O petista é alvo de um mandado de condução coercitiva expedido pelo juiz federal Sérgio Moro na 24 ª fase da Operação Lava Jato, deflagrada na manhã desta sexta-feira.

Lula é investigado por suspeita de ter recebido vantagens indevidas durante o mandato. Na 24ª fase da Lava Jato, batizada de Aletheia, as suspeitas são de que o sítio Santa Bárbara, utilizado pelo ex-presidente e pelos familiares em Atibaia (SP), tenha sido comprado e reformado com dinheiro de empreiteiras envolvidas no cartel da Petrobras. O petista foi levado pouco depois das 7 horas da manhã no cumprimento do mandado de condução coercitiva. Por questões de segurança, o local do depoimento de Lula não será confirmado por ora.

A nova fase da operação mostra que a Polícia Federal não se intimidou com a ameaça feita pelo governo Dilma ao trocar o comando do Ministério da Justiça. Wellington César assumiu o cargo nesta quinta-feira no lugar de José Eduardo Cardozo, que reclamava de tentativas de interferência de setores do PT para que barrasse as investigações da força-tarefa da Lava Jato, que se aproximavam perigosamente do ex-presidente.

Quando Lula deixou o governo, em 2011, seus pertences e de seus familiares foram levados para o sítio de Atibaia, como mostram documentos e um testemunho obtidos por VEJA. Arquivadas na Presidência da República, as ordens de serviço e notas fiscais de uma das transportadoras pagas pelo governo para fazer o trabalho mostram que a mudança de Lula foi levada de Brasília para ao menos três endereços em São Paulo: o apartamento do ex-presidente em São Bernardo do Campo, um depósito na capital paulista e o sítio em Atibaia.

Nesta 24ª fase da Operação Lava Jato, há mandado de condução coercitiva também contra o atual presidente do Instituto Lula, Paulo Okamotto. Não há mandado de condução coercitiva contra a ex-primeira-dama Marisa Letícia. Os pedidos do Ministério Público para deflagrar a fase ostensiva da 24ª fase foram feitos nos dias 20 e 22 de fevereiro.

A PF cumpre ao todo 44 ordens de Sérgio Moro: onze conduções coercitivas e 33 mandados de busca e apreensão em endereços relacionados ao petista, como o próprio Instituto Lula e imóveis em São Bernardo do Campo, cidade onde mora o ex-presidente, Atibaia e Guarujá (SP), onde o petista e a mulher tiveram um tríplex reformado pela OAS.

A PF informou que investiga crimes de corrupção e lavagem de dinheiro no âmbito da Lava Jato. Também há mandados judiciais em Salvador, Rio de Janeiro, além de Diadema, Santo André e Manduri, todas em São Paulo.

Ao longo da semana, para tentar conter a sangria em sua imagem política, Lula recorreu ao Tribunal de Justiça de São Paulo e obteve um habeas corpus para evitar que fosse levado contra vontade a depor no inquérito que o Ministério Público de São Paulo abriu para apurar a transferência de empreendimentos da cooperativa Bancoop para a OAS, entre eles o tríplex reformado ao gosto de Marisa Letícia. O promotor responsável pelo caso, Cássio Conserino, disse que já tem elementos para denunciá-los por ocultação de patrimônio, conforme revelou VEJA.

Em Curitiba (PR), sede da Lava Jato, o foco são suspeitas de vantagens indevidas de empreiteiras ao petista. No Judiciário, o ex-presidente tenta falsamente associar as investigações ao que considera um “achincalhamento público” de sua imagem, embora os procuradores da força-tarefa da Lava Jato tenham recolhido indícios suficientes contra ele.

No final de janeiro, a 22ª etapa da operação, batizada de Triplo X, já havia atingido o petista. Na época, o Ministério Público Federal anunciou uma varredura em todos os apartamentos do condomínio Solaris, em Guarujá, onde a enrolada empreiteira OAS, investigada por participar do petrolão, assumiu a construção dos imóveis por causa das fraudes na Bancoop, que é ligada ao PT. A cooperativa deu calote em seus associados enquanto desviava recursos para os cofres do PT, quebrou em 2006 e deixou quase 3 000 famílias sem seus imóveis, enquanto petistas graúdos, como o ex-presidente Lula, receberam seus apartamentos. Embora oficialmente a fase estivesse focada nas atividades criminosas do escritório de São Paulo da empresa Mossack Fonseca, que providenciava a abertura de offshores e tinha contas no exterior para esquemas de lavagem de dinheiro, a relação do ex-presidente Lula e de seus familiares com um tríplex reservado a eles pela construtora OAS também era investigada pela Polícia Federal e pelos procuradores da Lava Jato.

Veja as fotos do protesto dos professores contra o governo Dino e Edivaldo

‘Flávio Dino, tu não me engana, teu governo é igual de Roseana’. Grito dos professores.

Os professores das rede estadual e municipal de ensino realizam na manhã desta quinta-feira (3), o segundo protesto pelo reajuste salarial de 11,36%.

O ponto de concentração foi na Biblioteca Benedito Leite, depois os professores seguiram pela rua da Paz até a sede do Palácio dos Leões onde fizeram fizeram duram criticas ao governador Flávio Dino e ao prefeito Edivaldo Holanda.

Nenhum membro do sindicato compareceu para protestar.

Um novo protesto está marcado para segunda-feira (7) durante a visita do Ministro da Educação na aula inaugural do IEMA, no antigo Colégio Marista.

Protesto dos professores contra Dino e Edivaldo em 3 de março de 2016