Moto Club perde no STJD e está fora da final do Maranhense

Na tarde desta quinta-feira (25) o Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) decidiu que a vantagem de jogar pelo empate semifinal do segundo turno do Campeonato Maranhense, era do Sampaio Corrêa. O placar foi 4 a 2. Foram 4 votos a favor da vantagem para o Sampaio e 2 votos para que houvesse nova partida entre Moto e Sampaio.

Com a decisão, o Moto está fora da final do segundo turno do Maranhense. 

O Sampaio recorreu ao STJD depois de o TJD-MA ter decidido com cinco votos a favor do Moto, sobre a questão da vantagem. No artigo 11 do Campeonato Maranhense diz que “Na disputa da fase Semifinal as Associações que obtiverem o melhor índice técnico, na soma dos pontos ganhos na Primeira Fase, realizarão as suas partidas na condição de mandantes, com a vantagem de jogar pelo empate”.

Na fase classificatória o Sampaio terminou em segundo lugar do grupo A com 8 pontos, enquanto o Moto foi o primeiro do grupo B com seis pontos. Antes do jogo da semifinal entre as duas equipes, o Sampaio reclamou a vantagem junto à FMF, que se posicionou favorável ao Sampaio.

No jogo único da semifinal, o Moto fez 2 a 0, mas o Sampaio empatou a partida depois que um jogador do Moto foi expulso. Com o resultado, o Sampaio jogou a primeira partida da final do segundo turno contra o Cordino. Placar: 1 a 1.

 Após três dias o caso foi julgado pelo TJD-MA, que se posicionou favorável ao Moto e determinou a marcação da final entre Moto e Cordino no segundo turno.

O Moto chegou a viajar para Barra do Corda para enfrentar o Cordino, mas a partida não aconteceu, pois o Sampaio entrou com um pedido de ação cautelar no STJD para que o Campeonato Maranhense não prosseguisse enquanto o recurso não fosse julgado. A decisão foi aceita inicialmente em caráter liminar pelo presidente Ronaldo Piacente e posteriormente acatada por unanimidade pelo pleno do tribunal.

 Com a decisão desta quinta-feira, além do Sampaio ser confirmado na final do segundo turno, o jogo de ida também mantém o resultado, com o empate em 1 a 1.

A Federação Maranhense de Futebol (FMF) agora vai marcar o jogo de volta.

O Sampaio jogará pelo empate para garantir o título do segundo turno e jogar mais duas partidas contra o próprio Cordino, campeão do primeiro turno.   Caso o Cordino vença o jogo será campeão Maranhense de 2017 e o vice campeão será o Imperatriz.

 

Protesto pago por centrais sindicais sai do controle, prédios públicos são depredados e governo aciona as Forças Armadas

 

Folha de São Paulo

O protesto organizado por centrais sindicais e movimentos sociais contra as reformas previdenciária e trabalhista, pela saída do presidente Michel Temer e por eleições diretas transformou a Esplanada dos Ministérios, em Brasília, em um palco de batalha com a Polícia Militar e a Força Nacional nesta quarta (24).

Policiais militares deram tiros com armas letais na direção dos manifestantes. A Secretaria de Segurança do Distrito Federal informou que abrirá inquérito para investigá-los. “Esse procedimento não é o adotado”, afirmou.

Oito ministérios depredados, dois incendiados e 49 feridos –entre eles um manifestante baleado, um estudante de Santa Catarina que teve a mão decepada por um rojão e oito policiais– são alguns dos números do ato, que reuniu 45 mil pessoas, segundo a PM, ou 150 mil, de acordo com organizadores.

Por decreto, válido até o próximo dia 31, Temer convocou as Forças Armadas para conter manifestações de rua. À noite, os prédios dos ministérios já passaram a ter proteção de homens do Exército. Cerca de 300 militares do 32° GAC (Grupo de Artilharia de Campanha) estão espalhados pela Esplanada.

Com o prédio do Ministério da Agricultura em chamas, PMs que não dispunham de armas com balas de borracha sacaram armas comuns e dispararam. João Neto, militante da Força Sindical, disse que viu um homem ser atingido na boca, mas não soube precisar se era munição real ou de borracha. “Ele estava afastado, não estava fazendo nada, o policial sacou a arma e atirou”, disse.

Segundo a Segurança Pública, oito pessoas foram detidas sob suspeita de crimes como lesão corporal, dano ao patrimônio público, porte de arma branca e desacato.

A manifestação contra as reformas estava marcada desde antes de vir a público a investigação sobre Temer, resultante da delação da JBS. As suspeitas de corrupção e de obstrução da Lava Jato, divulgadas na semana passada, engrossaram o protesto.

“O ato foi maior do que o esperado, e 150 mil em Brasília são milhões representados pelo Brasil”, disse Guilherme Boulos, um dos coordenadores do MTST (Movimento dos Trabalhadores Sem Teto).

Membros do governo também avaliaram que o volume de pessoas foi significativo.

Autoridades calcularam que entre 500 e 600 ônibus de outras cidades chegaram a Brasília. A Folha encontrou manifestantes de São Paulo, Rio, Espírito Santo, Minas, Pará, Rio Grande do Norte, Paraíba e Rio Grande do Sul.

“É importante lutar por diretas, principalmente porque esse governo quer impor reformas sem consultar o povo e sem ter uma base de votos”, disse o agente comunitário de saúde Luciclaudio Bezerra, 39. Ele enfrentou viagem de cerca de 39 horas de ônibus de Santa Cruz (RN) a Brasília para participar do ato.

Foram mais de quatro horas seguidas de confronto ao longo do Eixo Monumental, onde ficam os ministérios. O ponto mais crítico foi o gramado próximo ao Congresso.

Manifestantes armaram barricadas de fogo com banheiros químicos e atiraram paus, pedras e fogos de artifício, enquanto a polícia lançava bombas de gás, spray de pimenta e balas de borracha. Havia sindicalistas, professores, estudantes e também pessoas mascaradas.

“Não sei direito como aconteceu, de repente senti o impacto e caí”, disse Vitor, 31, de Curitiba, ferido no braço por uma bala de borracha. Dois homens, de 18 e 35 anos, levaram tiros de bala de borracha nos olhos e foram levados ao Hospital de Base.

CONFRONTO

O conflito começou por volta das 13h30, quando a manifestação se aproximava de um bloqueio policial a 500 metros do Congresso. Primeiro, chegaram sindicalistas de roupa laranja da Força Sindical, que forçavam as grades e eram repelidos com spray.

Depois, uma multidão se engajou na tentativa de invadir o Congresso. Dos carros de som, líderes pediam calma, mas não eram ouvidos. “Companheiros mascarados, por favor, temos mães aqui, vamos manter a calma”, pediu a senadora Vanessa Grazziotin (PC do B-AM).

Quando ficou claro que as bombas não cessariam, líderes como Zé Maria (PSTU) disseram para os manifestantes resistirem à ação da polícia.

Um técnico de som da equipe da documentarista Petra Costa, que filmou os bastidores do impeachment de Dilma Rousseff, foi ferido na perna esquerda por uma bala de borracha da PM.

Em meio à confusão, participantes do ato começaram a recuar para o estádio Mané Garrincha, um pontos iniciais da marcha. Quem passava pela rua era atingido por bombas e disparos –um homem ficou com uma bala de borracha alojada no pescoço.

Usuários de ônibus no terminal rodoviário, a dois quilômetros do Congresso, sofreram com spray de pimenta. Jornalistas de vários veículos ficaram no fogo cruzado.

Por volta das 18h, a Esplanada dos Ministérios estava praticamente esvaziada pela polícia. Mais cedo, o governo liberou os servidores para que abandonassem rapidamente os prédios.

Moto Club vai enfrentar o vice-líder da série C e atual campeão de Sergipe

O Moto Club vai enfrentar mais uma pedreira na Série C, no sábado (27), no estádio Castelão, às 16h. Na terceira rodada, o adversário do Moto é o Confiança, campeão de Sergipe em 2017. 

No Campeonato Sergipano, o Confiança jogou 21 partidas, venceu 14, empatou 5 e perdeu apenas 2. Marcou 42 gols e sofreu 14. A última derrota do Dragão foi para Amadense, por 1 a 0, no estádio Batistão, dia 13 de abril.

Na série C, o Confiança é o vice líder do grupo A com 6 pontos em dois jogos. O time sergipano venceu o Salgueiro por 2 a 1 na primeira rodada, jogando no estádio Batistão em Aracaju (SE) e na segunda rodada, venceu o Cuiabá, por 2 a 1, na Arena Pantanal, em Cuiabá (MT).

O artilheiro do Dragão é o atacante Tito. Ele já marcou  três gols na série C e  chegou a 17 gols na temporada. 

Caso o Moto sofra mais uma derrota, o técnico Leston Júnior deve perder o cargo de treinador. Nas redes sociais, a torcida já pede a demissão do treinador.  O Moto ainda não venceu na competição e ocupa a lanterna do grupo A. 

A última vitória do Papão do Norte foi dia 12 de abril, quando venceu o Imperatriz por 2 a 1 no estádio Frei Epifânio. Na temporada, em 19 jogos, o Moto venceu 5, empatou 3 e perdeu 11.

Moto Club perde e fica na lanterna da série C

Jogando no estádio Cornélio de Barros, em Salgueiro, no sertão pernambucano, o Moto Club perdeu para o Salgueiro por 2 a 0. Foi a segunda derrota consecutiva do Moto na Série C.

No primeiro tempo, aos 38 minutos, Álvaro recebeu pelo lado direito e, sem marcação, mandou no canto do goleio Marcio. Na segunda etapa, aos 19, quem recebeu livre foi Toty, que conseguiu ampliar o placar e garantir os primeiros três pontos para o Salgueiro na Série C.

Com a vitória o Carcará ocupa a terceira posição no Grupo A. Já o Moto, acumula sua segunda derrota na competição e está na lanterna da chave.

As equipes voltam a jogar no sábado. Em casa, o Salgueiro recebe o Fortaleza, às 20h. O Moto Club também joga em seus domínios, contra o Confiança, às 16h.

Veja os resultados da rodada:

Sampaio-MA 0 x 2 CSA-AL
Salgueiro-PE 2 x 0 Moto-MA
Fortaleza-CE 1 x 0 Botafogo-PB
ASA-AL 1 x 0 Remo-PA
Cuiabá-MT 1 x 2 Confiança-SE

Classificação do Grupo A

1. CSA-AL —  6 pontos
2. Confiança-SE —  6 pontos
3. Salgueiro-PE —  3 pontos
4. Remo-PA —  3 pontos
5. Fortaleza-CE —  3 pontos
6. Sampaio Correa-MA —  3 pontos
7. ASA-AL —  3 pontos
8. Cuiabá-MT —  1 ponto
9. Botafogo-PB —  1 ponto
10. Moto Club-MA —  0 ponto

Potiguar de Mossoró e Maranhão empatam na estreia da Série D

 Globoesporte.com

O Potiguar de Mossoró empatou sem gols com o Maranhão na tarde deste domingo pela rodada de estreia do Grupo A5 Série D do Campeonato Brasileiro. As duas equipes não conseguiram criar chances perigosas de gol e cada uma desperdiçou um pênalti e teve um jogador expulso. O jogo foi levado aos trancos e barrancos, sem disciplina tática apresentada.

De ambos lados, os dois treinadores eram estreantes. Em termos de preparação, o Maranhão tinha a vantagem: treinou três semanas com Ruy Scarpino, enquanto o Potiguar de Mossoró teve apenas dois dias de treino sob o comando do técnico Mastrillo Veiga. Mas a superioridade da preparação não se refletiu em campo.

Quem assume a liderança do Grupo A5 com o resultado é o Guarany de Sobral. Isso porque o time venceu o River-PI pelo placar de 2 a 1.

Na próxima rodada, o Potiguar de Mossoró viaja à Sobral para enfrentar o Guarany e o Maranhão recebe o River-PI em casa. Os dois jogos acontecem no próximo domingo.

Grupo A4

Em Barra do Corda, o Cordino venceu o Santos-AP, por 1 a 0, com gol de Ulisses pelo grupo A4. Na próxima rodada, o Cordino enfrenta o Altos-PI, no Lindolfo Monteiro, em Teresina, no domingo, às 17h.

Em Miracema do Tocantins, o Tocantins perder para o Altos-PI por 3 a 1. A Alto ocupa a liderança do grupo A4 com 3 pontos. O Cordino é o vice-líder, também com 3 pontos.

Multidão participa de caminhada pela paz e segurança em Paraibano (MA)

Deputado  Wellington do Curso  participou da caminhada e se comprometeu destinar R$ 500.000,00 em emendas para a segurança de Paraibano

Moradores de Paraibano/MA, participaram nesta sexta-feira (12), da CAMINHADA PELA PAZ, a concentração foi em frente a rodoviária e em seguida, seguiram pela Avenida 1º de Maio até a Praça de Eventos Sérgio Coêlho, onde aconteceu uma audiência pública.

Com cartazes, faixas, camisas e balões brancos, os paraibanenses pediram o retorno à normalidade após vários casos de roubos e assassinatos no município, sendo o último, a trágica morte do Professor Ivanildo, conhecido como “Manin Marão”, ocorrido no dia 4 de maio.

A caminhada e a audiência pública, teve o apoio incondicional do deputado estadual e professor Wellington do Curso.

Segundo o deputado e alguns organizadores do evento, o objetivo do ato foi cobrar dos órgãos responsáveis, ações concretas em relação a segurança pública e fazer que as famílias voltem a se sentirem segura e, poder conviver em paz e harmonia em nossa cidade.

“Paraibano quer paz. Paraibano quer justiça. Paraibano quer segurança. A população clama por isso e, enquanto deputado estadual, não poderia me omitir e sequer dar a minha voz a essas solicitações. Sei que nada trará a vida dessas pessoas de volta, mas nosso compromisso é com a segurança dos que estão aqui e, em nome daqueles que foram vítimas da violência, efetivar ações que combatam a criminalidade nesse município. A morte do professor Manin não ficará impune”, pontuou Wellington.

Logo após a caminhada a Polícia Civil e Militar emitiu nota à imprensa e nas redes sociais, comunicando que havia prendido os autores do assassinato do professor. Veja AQUI

Com informações do blog Notícias de Paraibano.

Paraibano (MA): Ex-prefeita Aparecida Furtado deixa débito superior a R$ 800 mil no INSS

Este site de notícias, através de seu editor, foi em busca de informações acerca da situação fiscal do município de Paraibano (MA) perante a União Federal.

Descobriu-se que o município de Paraibano possui  débitos previdenciários, cujo montante total é de R$ 880.701,01 (oitocentos e oitenta mil setecentos e um reais e um centavo). O valor foi parcelado. 

O primeiro parcelamento previdenciário é o de número  nº. 609049194 – Lei nº. 10.522/02. Neste parcelamento a dívida é de R$ 124.413,59.  O valor foi parcelado em 60 meses, com parcelas de R$ 2.073,56. Falta pagar 11 parcelas.

O segundo parcelamento previdenciário é o de número nº. 618243976 – Lei nº. 10.522/02. Neste parcelamento a dívida é de R$ 419.527,58.  O valor também foi parcelado em 60 meses, com parcelas de R$ 6.992,13. Falta pagar 54 parcelas.

Por fim, o terceiro parcelamento previdenciário, é o de número nº. 612288005 – Lei nº. 10.522/02. Neste parcelamento a dívida é de R$ 336.759,84. O valor  foi parcelado em 240 meses, com parcelas de R$1.853,10. Falta pagar 153 parcelas. 

São tantas parcelas neste último  que o prefeito que assumir o município de Paraibano no ano de 2028 ainda vai continuar pagando 14 parcelas deste débito.

A pergunta que não quer calar: porque a ex-prefeita Aparecida Furtado não pagava o INSS dos funcionários da prefeitura? Falta de dinheiro é que não era.

Vale destacar que o não recolhimento de contribuições previdenciárias poderá acarretar a condenação criminal da ex-prefeita pelo crime de “apropriação indébita previdenciária”, caso o prefeito Zé Hélio a denuncie. 

Agora o atual prefeito, o empresário Zé Hélio (PT) paga em nome do município três parcelamentos pela incompetência de Aparecida Furtado, que foi gestora por 4 (quatro) mandatos e não pagava INSS que era recolhido mensalmente em contracheque dos servidores municipais.

Sem esquecer que a ex-gestora saiu da prefeitura respondendo 18 (dezoito) ações de improbidade administrativa, distribuídas entre a Justiça Federal e Estadual e mais uma criminal que atualmente encontra-se pendente de julgamento perante o STJ. Além de diversas condenações a devolução de valores e pagamento de multas por má gestão, imputadas pelo TCE/MA.

Fica a indagação: ser gestor é tão difícil assim, ou Aparecida Furtado é que era incompetente?

Clique DÉBITOS – MUNICÍPIO DE PARAIBANO – (INSS)

Campeonato Maranhense: Entenda a confusão envolvendo FMF, Moto Club e Sampaio Correa

A confusão envolvendo Federação Maranhense de Futebol, Moto Club e Sampaio Correa se arrasta desde o dia 17 de abril, quando a Federação Maranhense definiu que o Sampaio Correa teria a vantagem de jogar pelo empate contra o Moto Club, na semifinal do segundo turno.

Pelo regulamento, a interpretação era que o primeiro colocado do grupo B jogasse com a vantagem contra o segundo colocado do grupo A  da chave oposta, independente do número de pontos na contagem geral na fase de classificação do segundo turno. O Moto garantiu o primeiro lugar do grupo B com 6 pontos  enquanto que o Sampaio ficou em segundo lugar no grupo A com 8 pontos.

A partida entre Moto Club e Sampaio Correa foi realizada no estádio Castelão dia 20 de abril e terminou empatada em 2 a 2. O Moto chegou a abrir 2 a 0, mas o Sampaio empatou depois que um jogador do Moto foi expulso de campo. Se neste jogo tivesse um vencedor, não haveria toda essa confusão.

Com o resultado, o Sampaio garantiu vaga na final do segundo turno contra o Cordino. O Cordino venceu o Santa Quitéria na outra semifinal por 1 a 0.

O Moto então entra com um Mandado de Garantia junto ao Tribunal de Justiça Desportiva do Maranhão (TJD-MA). O Papão do Norte alega que terminou em primeiro no grupo B e por isso jogaria pelo empate para ser finalista. 

No dia 21 de abril, a FMF suspende o Campeonato Maranhense de 2017 , até que todas as ações no TJD-MA sejam julgadas. Somente após as decisões do TJD, é que a final do segundo turno será agendada pela FMF.

Na  tarde de quarta-feira, dia 27 de abril,  o Tribunal de Justiça Desportiva (TJD-MA) remarcou o julgamento do recurso do Moto Club que estava previsto para ser realizado na sexta-feira, dia 28 de abril, para a terça-feira, dia 02 de maio. O pedido de adiamento foi feito pelo Moto Club.  Após o TJD-MA anunciar o adiamento do julgamento, a FMF no mesmo dia, decidiu marcar os jogos entre Cordino e Sampaio para sábado, dia 29 de abril para quarta-feira, dia 02 de maio.

Na noite de sexta-feira, dia 28 de abril, o TJD-MA suspendeu o Campeonato Maranhense, após um pedido da defesa do Moto. A decisão foi entregue ao presidente da comissão de arbitragem, Marcelo Filho, que informou a suspensão da partida para os árbitros, que apitariam o jogo. O Sampaio já estava a caminho da cidade de Barra do Corda quando soube da suspensão do campeonato.

As 11h30 de sábado, dia 29 de abril, o presidente da Federação Maranhense de Futebol (FMF), Antônio Américo, informou que o Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) concedeu liminar autorizando a realização do jogo entre Cordino e Sampaio válido pela primeira partida da final do segundo turno do Campeonato Maranhense. O pedido da FMF foi feito pela madrugada.

O jogo ente Sampaio e Cordino acontece e termina empatado em 1 a 1, no estádio Leandrão. A partida de volta estava marcada para acontecer na quarta-feira, dia 03 de maio, no estádio Castelão, ás 19h45.

Na noite desta terça-feira (02), o Tribunal de Justiça Desportiva do Maranhão (TJD-MA) deferiu o pedido do Moto Club e mandou a Federação Maranhense de Futebol (FMF) mudar a final do segundo turno do Estadual, retirando o Sampaio e marcando os jogos entre Cordino e Moto. Impôs ainda uma multa R$ 10 mil por dia em caso de descumprimento por parte da organizadora da entidade.

Agora a partida da final do segundo turno será entre Moto e Cordino. O primeiro jogo acontecerá sábado, em Barra do Corda. O jogo da volta será na quarta-feira (10), no estádio Castelão. 

O Sampaio anunciou que vai recorrer da decisão junto ao Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD).

TJD-MA manda FMF mudar final do segundo turno e marcar jogos entre Moto Club e Cordino

Jogo entre Cordino e Sampaio empatado em 1 a 1 no sábado (30/04), não tem validade. A final do segundo turno agora é Cordino contra o Moto Club

Com cinco votos a favor e três contra, o Tribunal de Justiça Desportiva do Maranhão (TJD-MA) deferiu, o pedido do Moto Club e mandou a Federação Maranhense de Futebol (FMF) mudar a final do segundo turno do Estadual, retirando o Sampaio e marcando os jogos entre Cordino e Moto.

Em seu voto, o relator  Gutemberg Braga Júnior disse que a interpretação era que o primeiro colocado (Moto Club) jogasse com a vantagem contra o segundo (Sampaio Correa) da chave oposta, independente do número de pontos na contagem geral na fase de classificação do segundo turno.

Na semifinal do segundo turno, o Moto Club e Sampaio Correa empataram em 2 a 2 e o Sampaio ficou com a vaga  na final do segundo turno do Campeonato contra o Cordino, como determinou a FMF. O Moto entrou na Justiça e seu pedido foi deferido. Com a decisão, o Moto é quem vai decidir com o Cordino e não o Sampaio.

Desta forma, a partida que foi realizada no último sábado (29/04), em Barra do Corda, entre Cordino e Sampaio, que terminou 1 a 1, não tem validade. O segundo jogo estava marcado para as 19h45 desta quarta-feira (3), no Castelão.

O TJD impôs ainda uma multa R$ 10 mil por dia em caso de descumprimento por parte da organizadora da entidade.

O advogado do Sampaio, Jorge Viveiros, confirmou que o clube vai recorrer ao Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD). “Vamos tentar um efeito suspensivo. Não adianta a gente fazer as coisas com pressa”, disse.

O vice de Competições da FMF, Antônio Henrique, disse que a FMF não vai recorrer no STJD. “A FMF não vai recorrer. Vamos marcar para sábado a partida lá em Barra do Corda, entre Cordino e Moto e a volta será na quarta seguinte, em São Luís”, disse o dirigente.

O outro caso que foi julgado, nesta terça-feira (02), pelo TJD-MA, foi o da Sociedade Imperatriz de Desportes, que pediu a anulação do jogo entre Imperatriz X Cordino, pela final do primeiro turno. A defesa do time Imperatrizense alegou irregularidade no sorteio da comissão de arbitragem daquela partida, mas, por unanimidade, o juri indeferiu o pedido.

Índios são atacados em conflito de terra no Maranhão

Estadão

Um grupo de pistoleiros ligados a fazendeiros atacou nesse domingo, 30, índios da etnia gamela por causa de disputa territorial na cidade de Viana, a 214 quilômetros de São Luís (MA). Segundo o Conselho Indigenista Missionário (Cimi), pelo menos 13 indígenas ficaram feridos, sendo que um teve as mãos golpeadas com facão. Três dos feridos foram levados a um hospital em São Luís.

A entidade informou que o gamela Aldeli Ribeiro levou dois tiros na coluna e teve as mãos decepadas. O governo maranhense contestou a informação e disse que houve fratura exposta. Ribeiro passou ontem por cirurgia nos membros. Um irmão dele, José Ribeiro, foi atingido por um projétil no peito. Inaldo Serejo, um líder indígena atuante no Estado, foi baleado no rosto e nas costas. Até a noite de ontem, o estado de saúde dos índios internados era grave.

Em nota, o Cimi disse que dezenas de gamelas deixavam uma área reivindicada pela etnia no povoado de Bahias, interior de Viana, quando foram surpreendidos por homens armados. No momento, ainda segundo o Cimi, uma patrulha da Polícia Militar estava no local, mas não interveio para evitar o ataque.

Líderes indígenas cobram uma investigação para descobrir a autoria do atentado aos gamela. Elas também exigem do governo do Estado e da Fundação Nacional do Índio (Funai) proteção para as famílias gamelas que moram em aldeias no município maranhense.

O governo do Maranhão afirmou em comunicado que as polícias Civil e Militar atuaram para inibir os “conflitos”. “Ao chegar ao local, os policiais agiram para dissipar o confronto, que resultou na lesão de cinco pessoas (três fazendeiros e dois indígenas), todas socorridas pelos militares”, disse. A nota não informou o nome dos fazendeiros que teriam sido feridos.

Em nota, o Ministério da Justiça disse, inicialmente, que iria averiguar “o ocorrido envolvendo pequenos agricultores e supostos indígenas no povoado de Bahias”. Depois, em novo texto, deixou de se referir aos “supostos indígenas” para informar que “está averiguando o conflito no povoado” e que “já enviou uma equipe da PF ao local para evitar mais conflitos.”

A Funai informou que vai montar um “comitê de crise” para tratar casos de violência.

Área. Cerca de 700 famílias gamelas vivem em área de 530 hectares próxima ao povoado de Bahias. Há três anos, líderes da etnia iniciaram processo para retomar áreas ocupadas por fazendeiros nos anos 1980. A Polícia Civil de Viana registra pelo menos dois outros ataques à etnia. Um em 2015 e outro no ano passado.