Procuradoria pede que PF investigue racismo na UFMA

Folha.com

Professor Saraiva e o aluno nigeriano Nuhu Ayuba.

O Ministério Público Federal no Maranhão pediu nesta terça-feira à Polícia Federal a abertura de inquérito para investigar possível crime de preconceito racial de um professor da UFMA (Universidade Federal do Maranhão) contra um estudante nigeriano da instituição.

UFMA vai apurar denúncias de racismo contra aluno nigeriano

Segundo alunos do curso de engenharia química, o colega nigeriano Nuhu Ayuba sofreu agressões verbais do professor José Cloves Verde Saraiva, 57, do Departamento de Matemática, por ser africano e negro.

O Ministério Público pediu que a polícia ouça Ayuba, o professor e pelo menos seis alunos que assinaram um abaixo-assinado na internet denunciando as supostas ofensas.

“Por mais de uma vez o professor interpelou nosso colega dizendo que deveria ‘voltar à África’ e que deveria ‘clarear a sua cor'”, afirma o texto do abaixo-assinado. A denúncia diz ainda que Saraiva fez chacota com o nome do aluno e disse que ‘aqui [no Brasil], diferente da África, somos civilizados’.

O documento na internet diz que Ayuba nunca retrucou as agressões e está ‘psicologicamente abalado’. A UFMA abriu processo administrativo para apurar a conduta do professor.

Texto publicado no site da universidade afirmou que Saraiva pediu desculpas ao estudante nigeriano e aos outros alunos. “Jamais tive intenção discriminatória de qualquer espécie, mesmo porque sou, como muitos brasileiros, descendente de africanos”, afirmou o professor, segundo a universidade.