Professores de São Luís aprovam continuidade de greve

Do SINPROESEMMA

Por uma diferença de apenas cinco votos, a assembleia regional do SINPROESEMMA em São Luís aprovou, nesta quinta-feira (dia 23), a continuidade da greve da categoria. Foram 199 votos pela manutenção e 194 pela suspensão.

Desde o início da semana, o Sindicato dos Trabalhadores e Trabalhadoras em Educação Públicas das Redes Estadual e Municipais (SINPROESEMMA) cumpre um calendário de assembleias em suas 19 delegacias para avaliar o andamento das negociações com o governo do estado sobre o novo Estatuto do Educador e outras dez reivindicações. As assembleias também estão decidindo sobre os rumos da greve, que completou nesta quinta-feira um mês.

Até o momento, as assembleias regionais de Zé Doca, Pedreiras, Itapecuru-Mirim, Viana, Santa Inês, Rosário, Presidente Dutra, Pinheiro, Barra do Corda, Bacabal, São João dos Patos, Codó e Balsas aprovaram a suspensão do movimento grevista. As de São Luís, Timon, Caxias e Chapadinha se decidiram pela manutenção.

Debate acalorado

A 17ª assembleia regional dos educadores maranhenses foi realizada no auditório da Fetiema, centro de São Luís. No início dos trabalhos, o assessor jurídico do SINPROESEMMA, advogado Luiz Henrique Falcão, explicou detalhes do projeto de Estatuto que está sendo negociado e quais as diferenças em relação ao atual.

Em seguida, travou-se duro debate entre as lideranças dos educadores que percebem avanços nas negociações com o governo e os integrantes do grupo autointitulado de oposição, que insiste em atacar a diretoria do SINPROESEMMA. Há um mês, esse grupo votou contra o início da greve geral dos educadores, alegando que seria política. Durante 30 dias, os “oposicionistas” ajudaram o governo Roseana Sarney mantendo-se em sala de aula, boicotando as atividades do movimento e tentando desmobilizar a categoria.

Durante o ato de apreciação das negociações com o governo do estado, o presidente do SINPROESEMMA, Júlio Pinheiro, questionou o posicionamento desses educadores. “Os mesmos companheiros que gritam aqui pela continuidade da greve, foram os que votaram contra ela em abril; é muita falta de coerência; é muito oportunismo”, concluiu Pinheiro.

Resultado parcial

Com a decisão de São Luís, o SINPROESEMMA contabiliza o resultado de 13 assembleias favoráveis à suspensão e quatro pela manutenção do movimento grevista. Após a realização das de Imperatriz e Açailândia, nesta sexta-feira (dia 24), o Sindicato divulgará balanço final da consulta estadual.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Uma Resposta para Professores de São Luís aprovam continuidade de greve

  1. joão batista disse:

    Teu pensamento é igualzinho ao da diretoria pelega do SIMPROESEMMA.