Servidor do TJ esclarece questão dos 21,7% que o governo Flavio Dino cortou

Badeco

O jornalista e  servidor do Tribunal de Justiça do Maranhão, João Badeco emitiu uma nota de esclarecimento sobre o deferimento da Ação Rescisória impetrada pelo governo Flávio Dino (PC do B), que resultou no corte de 21,7% no salário dos servidores do judiciário.

Segundo Badeco, é má fé a mídia que se curva ao Palácio dos Leões e do próprio fascista Flávio Dino tentar passar pra opinião pública que nós estamos brigando por aumento.Não é verdade!

Badeco que  sempre fez críticas à  oligarquia Sarney, agora passou a criticar o governo comunista que ajudou eleger.

Veja abaixo o esclarecimento.

Nós, do Tribunal de Justiça, não pleiteamos aumento algum, como tenta passar pra população através dos meios de comunicação alinhados com seu governo, o governador Flávio Dino.

Os 21,7% são resultados de uma ação do nosso sindicato contra o governo do Maranhão que durou quase 9 anos e passou por todas as instâncias da justiça brasileira, terminando no STF com ganho de causa pelos servidores.

 Em 2014 o STF mandou que o TJMA implantasse nos nossos vencimentos esse valor, coisa que foi feita depois de uma longa negociação com a presidente Cleonice Freire.

Ou seja: há mais de um ano que a gente já vem recebendo esse valor. Portanto, não estamos brigando por aumento nenhum. Estamos brigando, sim, por um direito já garantido até pelo Supremo Tribunal Federal.

É má fé a mídia que se curva ao Palácio dos Leões e do próprio fascista Flávio Dino tentar passar pra opinião pública que nós estamos brigando por aumento. Não é verdade! Estamos brigando por um direito já adquirido e garantido por todos os tribunais superiores do Brasil.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Uma Resposta para Servidor do TJ esclarece questão dos 21,7% que o governo Flavio Dino cortou

  1. EDUARDO PEREIRA disse:

    Muito bem meu amigo Badeco, não devemos nos calar diante de tanta injustiça. Nossa indignação é legítima e portanto devemos lutar até o fim por nossos direitos…