Tragédia em festival no Camboja mata 345 e deixa centenas de feridos

R7

Pelo menos 345 pessoas morreram no Camboja em um tumulto ocorrido nesta segunda-feira (22) em uma ponte de Phnom Penh, capital do país, durante o tradicional Festival da Água. Os números fazem parte de um balanço provisório e podem ser ainda maiores.

A tragédia ocorreu durante a noite (hora local) na ponte que une Phnom Penh à ilha Diamante sobre o rio Mekong, onde eram celebradas as festividades do último dia do evento anual.

Números divulgados sucessivamente foram aumentando com rapidez. O porta-voz do governo Khieu Kanharith indicou à agência de notícias France Presse que pelo menos 345 pessoas morreram na catástrofe e 440 ficaram feridas.

– A maioria morreu por asfixia ou ferimentos internos.

O primeiro-ministro cambojano, Hun Sen, apresentou condolências às famílias das vítimas e declarou que as causas da tragédia não são conhecidas até o momento.

– É preciso seguir investigando o que ocorreu.

O chefe do governo, inclusive, chegou a dizer que se trata “da maior tragédia desde o regime [comunista do Khmer Vermelho] de Pol Pot”, que matou cerca de 2 milhões de pessoas, um quarto da população, entre 1975 e 1979.

Hun Sen também anunciou que o Camboja irá realizar um dia de luto nacional na próxima quinta-feira (25).

Rumor de que ponte não era estável teria causado pânico

Segundo o porta-voz do governo, a tragédia teve início quando se espalhou entre a multidão o rumor de que a ponte não era estável.

– Isso desencadeou um movimento de pânico. Havia muita gente, e não tinham por onde escapar.

Logo após o tumulto, um fotógrafo da agência de notícias France Presse viu os corpos de pelo menos 50 pessoas estendidos perto da ponte que leva à Diamond Island. Podiam ser ouvidas pela cidade dezenas de ambulâncias chegando ao local.

Testemunhas dizem que confusão começou na ponte

Algumas testemunhas contaram que o tumulto começou na própria ponte, como o jovem Kruon Hay, de 23 anos, que ainda se encontrava no local.

– Estávamos cruzando a ponte em direção à Diamond Island quando começaram a empurrar do outro lado. As pessoas passaram a correr e caíam umas sobre as outras. Eu também caí. Se sobrevivi foi porque houve pessoas que me levantaram.

A maior parte das vítimas era composta de jovens cambojanos, afirmou o governador de Daun Penh, no distrito de Phnom Penh.

– É a maior tragédia que já vimos.

Cerca de 2 milhões prestigiaram evento

Cerca de 2 milhões de pessoas foram a Phnom Penh para acompanhar três dias de regatas, shows e queima de fogos de artifício do Festival da Água.

O evento é a maior e mais exuberante festividade do país, cuja finalidade é agradecer ao rio Mekong, que garante a fertilidade das terras e a abundância de peixes.

Fixado ritualmente na lua cheia de novembro, o festival marca o final das cheias e um fenômeno único: a inversão do curso do rio Tonlé Sap.